Homem que atacou protesto é policial militar

O homem que aparece em um vídeo jogando um objeto do telhado da Câmara dos Vereadores sobre professores que se manifestavam na terça-feira, que circula desde ontem na internet, é policial militar. A informação foi divulgada em nota pela Secretaria de Segurança Público do Estado, que não indicou o nome nem a patente do agressor. Na filmagem, ele está sem camiseta e de calça jeans.

RIO, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2013 | 02h01

É o segundo caso na semana que envolve policiais militares em irregularidades praticadas durante repressão ao protesto, que parou o centro carioca o dia inteiro. Anteontem, vídeos mostraram dois oficiais da PM prendendo um menor acusado de portar morteiros. Um dos oficiais, o tenente identificado apenas como Andrade, havia jogado o explosivo próximo ao rapaz, para acusá-lo pelo porte.

O policial que atacou os manifestantes do telhado foi afastado, segundo a PM, e trabalharia na Coordenadoria de Inteligência da corporação.

"Mais um flagrante de repressão descontrolada. Esse sujeito só teve acesso ao telhado da Câmara com autorização de alguém", disse o vereador Renato Cinco (PSOL). O homem de gravata ainda não foi identificado.

Outras imagens divulgadas em redes sociais sugerem que policiais também teriam estado em duas cúpulas do prédio da Câmara, sitiado durante o protesto contra o plano de cargos e salários do magistério.

Suspeita-se que teriam lançados bombas contra manifestantes. Fotografias mostram bombas caindo do alto sobre os grupos que protestavam.

Há ainda o caso do homem, identificado na internet como Tiago Tiroteio, que postou no Facebook uma foto em que mostra, vestido com a farda da PM, um cassetete quebrado. Ao lado, o comentário: "Foi mal, fessor". A página foi apagada. A PM informou que apura o caso.

O Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, ligado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, condenou a PM. "Nada justifica ações violentas da polícia contra os professores", disse a ministra Maria do Rosário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.