PM atravessa caminhão em pista de rodovia para parar viatura roubada 

Criminosos teriam rendido policiais em Heliópolis, na zona sul de São Paulo, e roubado veículo; eles fugiram pela rodovia dos Bandeirantes, onde bateram em um caminhão

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

27 Fevereiro 2017 | 10h10
Atualizado 27 Fevereiro 2017 | 10h43

SOROCABA - Um suspeito morreu ao bater uma viatura da Polícia Militar roubada em Heliópolis, zona sul da capital, em um caminhão atravessado na pista da Rodovia dos Bandeirantes, na madrugada desta segunda-feira (27), em Itupeva, interior de São Paulo. Outros três criminosos que estavam na viatura conseguiram fugir. Houve tiroteio na altura do pedágio da rodovia e policiais faziam cerco aos criminosos.

 O veículo da polícia havia sido roubado pelo bando, armado com fuzis, em Heliópolis. Eles renderam os policiais que faziam patrulhamento no bairro e fugiram com o carro. Os bandidos teriam usado o sistema de radiocomunicação instalado na viatura, o que facilitou a localização da viatura.

 Perseguidos, os criminosos pegaram a rodovia em direção à região de Campinas. Eles conseguiram furar um primeiro bloqueio montado em Jundiaí, entrando pela contramão na rodovia.

De acordo com a Polícia Civil de Itupeva, para evitar que os criminosos escapassem, policiais militares decidiram bloquear a pista da Bandeirantes com uma carreta. Quando a viatura se aproximou do bloqueio, três integrantes da quadrilha saltaram e houve tiroteio. Eles teriam conseguido fugir. O outro, que dirigia o veículo, colidiu com a carreta e morreu.

O suspeito estava sem documentos e não tinha sido identificado até as 9h desta segunda-feira, quando a ocorrência ainda era apresentada na Delegacia da Polícia Civil de Itupeva. De acordo com os policiais que atendiam o caso, outra viatura da PM se acidentou durante a perseguição próximo de Jundiaí. Um cerco foi montado na região e até um helicóptero da PM foi usado na tentativa de capturar os fugitivos.

De manhã, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que ao atendimento à ocorrência ainda não tinha sido encerrado e aguardava mais informações.

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.