Homem morre arrastado pela água na região serrana do Rio

Vítima era de Petrópolis, que também registrou deslizamentos. Em janeiro, 905 morreram[br]na pior catástrofe do País

Bruno Boghossian, O Estado de S.Paulo

02 Março 2011 | 00h00

Um temporal na madrugada de ontem provocou a morte de uma pessoa em Petrópolis, na região serrana do Rio. O corpo de Maurício Bender da Silva, de 40 anos, foi encontrado no Rio Piabanha, no distrito de Corrêas. O local havia sido atingido por uma forte chuva e o morador foi arrastado por uma enxurrada, segundo a Defesa Civil do município.

Houve deslizamentos de terra e alagamentos em quatro distritos, além do desabamento de duas casas. A Defesa Civil recebeu 69 chamados durante a tempestade e colocou todas as suas equipes nas ruas para atender a população. No bairro Caxambu, o volume de chuva durante a madrugada e a manhã de ontem chegou a 182mm.

Petrópolis foi um dos municípios mais atingidos pelo temporal que devastou parte da região serrana no dia 11 de janeiro, na maior catástrofe natural da história do País. Na ocasião, o volume de chuva registrado havia sido de 165mm em um período de duas horas. A área mais afetada na época foi a região conhecida como Vale do Cuiabá. Não havia sido registrada chuva em Corrêas, região atingida ontem.

Foram registradas 905 mortes em seis cidades da região serrana por causa do temporal de janeiro, segundo o Instituto Médico Legal. Em Nova Friburgo, foram encontradas 426 vítimas. O número de mortos chegou a 382 em Teresópolis, 71 em Petrópolis, 21 em Sumidouro, quatro em São José do Vale do Rio Preto e um em Bom Jardim.

O número de vítimas pode ser maior, pois, até hoje, quase 50 dias após a tragédia, ainda há desaparecidos na região, de acordo com balanço do Ministério Público. Parentes buscam 187 pessoas em Teresópolis, 82 em Nova Friburgo, 48 em Petrópolis, duas em Sumidouro e 33 em locais não identificados. Até o temporal de janeiro, a maior catástrofe natural do País havia sido registrada em 1967, com 785 mortos em uma enchente no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.