Homem mata PM, fere quatro e é morto em perseguição em Osasco

Criminoso, que não teve a identidade revelada, foi responsável por ações em sequência e só parou após troca de tiros

Rafael Italiani e Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2016 | 19h54

SÃO PAULO - O soldado da Polícia Militar Thiago Rodrigues de Oliveira, de 28 anos, foi morto por um tiro na cabeça disparado pela própria arma, na tarde de terça-feira, 5, em Osasco, na Grande São Paulo. O suspeito, que não foi identificado, morreu durante a tentativa de fuga em um carro roubado.

Antes de ser contido, ele atropelou duas pessoas, roubou celulares e mochilas e usou a arma de Oliveira para disparar a esmo, atingindo duas pessoas de raspão na cabeça.

A sequência de crimes aconteceu por volta das 17h, quando o atirador, sem nenhuma motivação aparente, abordou o soldado Oliveira em um ponto de ônibus da Avenida Getúlio Vargas. O agente estava fardado e se dirigia ao trabalho. Os dois entraram em luta corporal, mas o criminoso tomou a pistola .40 do PM e atirou contra a vítima. A população filmou o policial agonizando na calçada.

Com a arma em punho, o suspeito correu para a rua e disparou contra o Honda Civic dirigido por um empresário de 28 anos. O motorista levou um tiro de raspão na região do maxilar.

Armado e em poder de um automóvel, o criminoso atirou contra a terceira vítima, um sargento do Exército de 37 anos que dirigia um Fiat Palio e aguardava a passagem em um retorno, obstruindo a fuga do criminoso. O homem sacou uma pistola 9mm, disparou contra o agressor, mas foi atingido na cabeça, também de raspão.

O suspeito não parou. Em alta velocidade, atropelou um pedestre de 72 anos. O idoso foi levado para o Hospital Municipal de Osasco, fez exames e foi liberado. Depois, ele atingiu um adolescente de 15 anos que pedalava. Ele foi levado em estado grave para o hospital. Segundo familiares, o estado de saúde do jovem é estável e nesta quarta ele foi operado.

O criminoso entrou na Avenida Brasil, saiu do carro para roubar os pertences de um motoboy e de outro pedestres, voltou para o veículo e parou em um posto de combustível. Lá, ele abordou duas frentistas exigindo que elas dessem bebidas energéticas para ele.

Uma viatura do Departamento de Investigação sobre Entorpecentes (Dise) da Polícia Civil já tinha sido avisada sobre o criminoso por vítimas e testemunhas. Ao chegar ao posto indicado, o suspeito abriu fogo contra os policiais. 

Outro carro da Polícia Militar chegou para dar apoio. Houve nova troca de tiros, a viatura da PM foi atingida por disparos. No revide, os policiais acertaram quatro disparos no criminoso, que morreu dentro do carro roubado.

A Polícia Militar lamentou a morte do soldado Oliveira. A corporação disse que ele "lutou bravamente" com o criminoso e chamou a atenção para o fato de que, nos primeiros seis dias do ano, quatro PMs foram assassinados. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.