Homem mata a tiros mulher, neto, filha grávida e genro

Crime foi no Jabaquara, zona sul de SP; acusado, que também morreu, deixou bilhete alegando que era maltratado

O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2012 | 03h03

O motorista José Raimundo Correia Araújo, de 56 anos, matou a tiros a mulher, a filha (que estava grávida), o neto de 3 anos e o genro e depois se matou na tarde de ontem, na região do Jabaquara, zona sul da capital paulista. Os crimes ocorreram em dois locais: na casa onde Araújo morava com a mulher e na residência da filha.

A primeira vítima - e a última a ser encontrada - foi a mulher de Araújo, Edelice dos Santos Leite, de 67 anos. Ela também foi encontrada morta com um ferimento na cabeça por um parente de Araújo. Ele havia ido ao local avisá-la sobre a morte do marido, da filha, do neto e do genro.

Na residência do casal, os investigadores encontraram um bilhete provavelmente escrito pelo motorista. No recado, ele confessa que cometeu o crime pois era maltratado por Edelice. Uma testemunha disse à policia que havia alguns dias o casal vinha discutindo muito, mas não ouviu tiros na casa. Outras testemunhas disseram que Araújo também não tinha relação muito boa com a filha.

Segundo ataque. Após matar Edelice, Araújo chegou à casa da filha, na Rua das Aroeiras, por volta das 15h30 de ontem, segundo a Secretaria de Segurança Pública. Foi direto aos fundos da casa, onde estava o genro, Washington Luís Brito Miranda, de 36 anos. Ele deu vários tiros contra o rapaz, que morreu na hora.

Em seguida, o motorista foi para dentro da casa, onde disparou diversas vezes contra a filha, Ana Paula dos Santos Correia Miranda, de 33 anos, que estava grávida, e o neto, Davi dos Santos Miranda. Após atirar contra eles, foi até o sofá e deu um tiro contra a própria cabeça.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, os três foram levados para o Hospital Saboia, mas não resistiram aos ferimentos. A arma foi apreendida e a Polícia Civil investiga o que motivou o crime. O caso foi registrado no 35.º DP (Jabaquara). / SOLANGE SPIGLIATTI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.