J. Duran Machfee|Futura Press
J. Duran Machfee|Futura Press

Homem que mantinha refém em loja na Av. Paulista é preso

Suspeito se entregou à polícia após conversa com a mãe; mulher foi libertada sem ferimentos

Adriana Ferraz e Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

09 Julho 2016 | 12h58
Atualizado 09 Julho 2016 | 16h49

SÃO PAULO - A funcionária que estava sendo mantida refém em uma loja de chocolates Brasil Cacau da Avenida Paulista foi libertada no início da tarde deste sábado, 9. O suspeito, Heverton Fonseca, de 35 anos, que, ao contrário do informado inicialmente, não era conhecido da vítima, se entregou às 13h50 (horário de Brasília) e foi levado ao 78º DP. A vítima não sofreu nenhum ferimento.

Durante a negociação, equipes da Polícia Militar ocuparam a calçada e parte da via, no cruzamento com a Avenida Brigadeiro Luís Antonio. A mulher foi ameaçada com uma faca no pescoço na parte do fundo da loja. Policiais disseram que o homem aparentava ter transtornos mentais e dizia estar sendo perseguido.

A vítima foi mantida refém por cerca de duas horas. Fonseca exigiu a presença da imprensa e da mãe. Com as duas solicitações atendidas, ele aceitou liberar a vítima.

Segundo informações da Polícia Civil, o suspeito já havia sido detido na madrugada deste sábado após se envolver em uma briga com um segurança do Terminal Rodoviário do Tietê, na zona norte. Ele deu sete facadas no vigilante. A polícia foi chamada e ele foi levado ao 20º DP, de onde foi liberado mais tarde. O segurança passa bem. 

Em 2012, Fonseca também havia mantido uma ex-namorada refém por algumas horas em uma padaria. Ninguém se feriu. Desta vez, o delegado deverá pedir a prisão preventiva do suspeito, que poderá ser indiciado por cárcere privado.

A passagem de pedestres no trecho da avenida ficou totalmente bloqueada. Segundo a CET, o tráfego de veículos foi suspenso na Avenida Paulista, no trecho em frente à loja, no sentido Paraíso. O desvio é feito pela Avenida Joaquim Eugênio de Lima. Os motoristas precisam fazer um retorno para acessar novamente a via no quarteirão seguinte. 

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Brasil Cacau Avenida Paulista Pan

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.