PM liberta refém e mata criminoso após dez horas de cárcere na zona leste de SP

Homem invadiu casa e chegou a manter duas pessoas reféns, mas acabou liberando uma durante a tarde; suspeito seria ex-namorado da vítima

O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2016 | 22h48

SÃO PAULO - Após mais de dez horas de cárcere, o homem que mantinha uma mulher refém no Itaim Paulista, zona leste de São Paulo, foi morto pela Polícia Militar durante o resgate da vítima na noite desta terça-feira, 20. Homens do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) da PM paulista entraram na residência, na Rua Palha Brava, após ameaças do criminoso, que dizia que ia matar a ex-companheira, e o atingiram com um disparo de arma de fogo na cabeça. Os agentes haviam tentado atingi-lo anteriormente com uma arma de choque e bala de borracha, mas não houve sucesso em detê-lo.

O homem identificado como Fabiano Crisóstomo chegou a ser socorrido por equipes de resgate que estavam do lado de fora da residência, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos. Ele usava uma faca para agredir e ameaçar a vítima. A mulher, Patrícia Correia, recepcionista de um hospital, também foi socorrida após ter sofrido ferimentos no tempo em que foi mantida no local. 

Ela foi retirada da casa com escoriações na boca e parte do cabelo queimado após o homem ter colocado fogo em lençóis no momento da ação policial. Dois policiais ficaram com ferimentos leves após terem sido atingidos por estilhaços da própria bomba estourada para distração do criminoso. 

De acordo com informações da assessoria de comunicação da Polícia Militar, o chamado à corporação ocorreu às 12h16 desta terça, após um relato de tentativa de roubo na residência. Ao chegar à casa, os agentes se depararam com dois reféns; uma mulher foi libertada sem ferimentos ao longo da tarde após negociações. 

A ocorrência deverá ser registrada no 50.º Distrito Policial (Itaim Paulista) para investigação das circunstâncias da ocorrência e da morte de Crisóstomo. O suspeito já havia sido preso anteriormente sob acusação de roubo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.