Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Homem invade empresa e mata duas mulheres no bairro da Saúde, em SP

Funcionário atirou em uma colega e degolou outra; suspeita é desentendimento em festa de confraternização

Marco Antônio Carvalho, Fabiana Cambricoli, Isabela Palhares e Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2019 | 18h14
Atualizado 20 de dezembro de 2019 | 23h02

SÃO PAULO - Um homem invadiu uma empresa na tarde desta sexta-feira, 20, matou duas pessoas e feriu uma terceira na Saúde, zona sul da capital paulista. O ataque ocorreu em uma empresa de tecnologia localizada na Rua Luís Góis, próximo à estação de metrô Santa Cruz.

O comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Márcio Silva, disse que funcionários informaram que o ataque pode ter sido motivado por um desentendimento que ocorreu na semana passada durante a confraternização da empresa. “Em razão dessa briga, hoje um dos funcionários veio à empresa, subiu ao pavimento superior, onde atirou contra uma das mulheres e a matou nessa sala”, disse ele, na noite desta sexta. 

O ataque continuou quando o atirador se dirigiu a uma outra sala, onde uma segunda mulher foi degolada com uso de uma faca que o criminoso portava. Ela também foi atingida por disparos. Ele atirou também contra um homem, que foi atingido no ombro e socorrido. 

A polícia chegou quando o atirador ainda estava dentro da empresa chamada Winsys Solutions. “Os policiais chegaram e observaram os compartimentos com o sangue das vítimas. Em determinado momento, o indivíduo abriu a porta e mencionou atirar contra os policiais, que efetuaram disparos contra ele”, explicou o oficial da PM.

No ataque, o criminoso usou um revólver calibre 38. Ele prestava serviço algumas vezes por semana no local, segundo relataram os colegas à polícia. O criminoso foi socorrido em estado grave para o Hospital das Clínicas. Os policiais não ficaram feridos.

A vítima ferida foi socorrida ao Hospital São Paulo, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Segundo o centro médico, ele chegou ao local baleado na região do braço, próximo à axila, e com quadro de confusão mental. Por volta das 18h30, ele estava sendo levado ao centro cirúrgico. O hospital não informou a gravidade do caso.

Everaldo Ferreira, de 38 anos, estava no salão que é proprietário e fica em frente à empresa de tecnologia no momento dos disparos. "Ouvimos os tiros em torno das 17 horas e pouco, foram uns 2, 4 tiros. Saiu gente para fora, umas 3, 4 pessoas. Aí a polícia chegou, chegou logo em seguida, e teve mais uns 4 tiros", descreve. "Os clientes do salão ficaram assustados, foi aqui na frente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.