Luiz Alexandre Souza Ventura/ Estadão
Luiz Alexandre Souza Ventura/ Estadão

Homem e bebê morrem durante vendaval no litoral de São Paulo

As vítimas foram atingidas por pedaços de madeira lançados de um prédio em construção; ventos chegaram a atingir 91 km/h

Luiz Alexandre Souza Ventura, Especial para o Estado

15 Novembro 2015 | 17h50

SANTOS - Um homem e um bebê morreram no litoral sul de São Paulo após serem atingidos por pedaços de madeira lançados de um prédio em construção, durante um vendaval que atingiu a Baixada Santista na noite deste sábado, 14. A ventania começou pouco depois das 20h. De acordo com o setor de meteorologia da Base Aérea de Santos, as rajadas atingiram 91km/h. 

As vítimas estavam na região central de São Vicente, próximo no cruzamento das Ruas Freitas Guimarães e Floriano Peixoto, onde o edifício é erguido. Ripas de madeira, placas de compensado e outros objetos foram lançados de uma altura de 45 metros, atingiram ao menos quatro pessoas que passavam pelo local e a cobertura de um bar foi arrancada.

O despachante Marcos Alberto de Souza, de 32 anos, morreu na hora. O menino Jonatas Garcia Modesto, de um ano, estava no carrinho, empurrado pelo pai, quando foi atingido na cabeça e teve afundamento do crânio. Encaminhado ao Hospital Municipal, o bebê foi transferido para a Santa Casa de Santos, mas morreu na madrugada deste domingo. O pai da criança ficou em estado de choque.

A Prefeitura de São Vicente informou que a Defesa Civil está monitorando o prédio em construção porque ainda há itens que podem cair, mas a obra não foi embargada.

Houve incidentes, como quedas de árvores e falta de luz, em Santos, Cubatão, Praia Grande e Guarujá. Segundo a CPFL Piratininga, a linha de transmissão Henry Borden registrou várias quedas de energia de menos de três minutos de duração, chamadas de 'pisca', provocadas pelo vento forte. 

Em Santos, no bairro do Estuário, uma casa na Rua Bezerra de Menezes foi atingida por uma árvore e o imóvel precisou ser interditado.

Também em Santos, no bairro do Embaré, uma placa de madeira e ao menos seis ripas, com pregos, voaram de uma construção na altura do número 180 da Rua Alvaro Alvim. Uma parte do material caiu no meio da rua, mas ninguém foi atingido. Outros pedaços destruíram telhas de uma casa, na altura do número 189, ao lado da obra, e foram parar no estacionamento de um prédio, que fica no número 191. Não houve feridos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.