Homem é assassinado durante festa de bloco carnavalesco em SP

Organização encerrou festejos após a ocorrência; vítima não identificada chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S. Paulo

15 Fevereiro 2015 | 16h33

SÃO PAULO - Um homem foi assassinado com uma facada enquanto participava de um bloco carnavalesco no centro de São Paulo na noite deste sábado, 14. O golpe teria acertado a vítima no pescoço, que ainda chegou a ser socorrida, mas não resistiu à gravidade do ferimento. Não há informações oficiais sobre a motivação e o autor do crime.

O caso aconteceu em meio à primeira edição do bloco “Tarado Ni Você”, que se concentrou no cruzamento das avenidas São João e Ipiranga. O assassinato forçou o encerramento dos festejos por volta das 21h30 do sábado. “Temos conhecimento do ocorrido pois ele aconteceu muito próximo ao trio. E encerramos o desfile do bloco por conta do fato. Nos posicionaremos amanhã [segunda-feira] após apurar o caso com detalhes junto às autoridades responsáveis”, informou por email Rodrigo Guima, um dos organizadores do evento.

A assessoria de comunicação da Polícia Militar confirmou que recebeu um chamado na noite de sábado sobre a ocorrência. Ao chegar ao local, a vítima já havia sido socorrida e lavada a Santa Casa, onde a morte foi confirmada. A PM registrou a ocorrência no 2.º DP, Bom Retiro.

Foliões que estavam presentes no evento relataram o assassinato nas redes sociais. “O #blocotaradonivoce ocorreu perfeitamente até que quando estava finalizando, infelizmente dois caras que estavam ‘alcoolizados’, um deles olhou para o outro se estranhando, na segunda vez que ele olhou já deu uma facada em direção ao pescoço e foi tão rápido que eu pensei ‘foi um soco’, mas logo jorrou sangue e o cara caindo” (sic), relatou um internauta.

Outro folião acrescentou: “Ainda tentando acalmar o peito por td isso...foi um baque pra todo o grupo...a festa estava linda, mas não está tudo em nossas mãos... Vc viu o momento?foi na calçada?ele foi andando ate o trio e caiu na minha frente.” (sic)

Mais conteúdo sobre:
carnavalsegurançaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.