Homem confessa ter matado adolescente desaparecida em SP

Ele é indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver; condenado, pena pode chegar a 30 anos

José Maria Tomazela, do Estadão,

24 de agosto de 2007 | 16h14

O lenhador Davison Evandro Nunes Freitas, de 20 anos, confessou o assassinado da adolescente S. J. B., de 16 anos, que estava desaparecida desde o dia 8 de agosto, em Pilar do Sul, na região de Sorocaba. Preso no final da tarde de quinta-feira, 23, ele contou aos policiais que, depois de estrangular a garota, amarrou uma pedra em seus pés e jogou o corpo num córrego. O corpo foi encontrado na segunda-feira, 20, pelo empregado de uma fazenda. Freitas contou que estava na praça central da cidade, quando viu a jovem passar e a chamou. Ele disse que se ofereceu para acompanhar a garota até a casa dela. No caminho, a atacou. De acordo com o delegado Basílio César Cassar, o assassino demonstrou frieza ao relatar o crime. Disse que, sem motivo, apertou o pescoço dela até que desmaiasse. Em seguida, levou o corpo até a beira do córrego e jogou na água. Ele usou um fio de antena para amarrar uma pedra nos pés para que a vítima afundasse. Para isso, tirou os tênis que a garota usava e escondeu no mato. O delegado não afastou a hipótese de a adolescente ter sido vítima de violência sexual. A polícia chegou ao acusado depois de ouvir testemunhas que o viram na companhia da garota. Depois do crime, ele chegou a comentar com amigos que tinha matado uma pessoa. Familiares e amigos da vítima se reuniram nesta sexta-feira, 24, na frente da cadeia onde o lenhador está preso, em Pilar do Sul, para exigir justiça. Ele teve a prisão preventiva decretada. Freitas foi indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Se for condenado, a pena pode chegar a 30 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
violência no interior

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.