Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Homem armado causa pânico no Shopping Metrô Tucuruvi

O segurança Edson Juvêncio Júnior deu vários tiros dentro do banheiro, ameaçou se matar e só se rendeu depois de três horas

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

24 Abril 2016 | 16h45

SÃO PAULO - Um homem armado invadiu o Shopping Tucuruvi, na zona norte de São Paulo, na tarde deste domingo, 24, e deu vários tiros dentro do banheiro. Houve pânico entre os lojistas, clientes e parte do local foi evacuada pela polícia. Ele ameaçava se matar, mas se entregou após três horas de negociação. Ninguém ficou ferido. 

Segundo a Polícia Militar, por volta das 14 horas, o segurança Edson Juvêncio Júnior, de 27 anos, entrou armado no banheiro do piso térreo do Shopping Tucuruvi. As pessoas que o viram saíram correndo e gritaram que havia um homem com arma em punho.

Minutos depois, Juvêncio Júnior fez o primeiro disparo e se trancou no banheiro. Ele ainda telefonou e mandou mensagens para alguns amigos, avisando que ia se matar. 

A empresária Clara Duarte, dona de uma loja que fica próxima do banheiro onde Juvêncio Júnior se escondeu, contou que houve pânico porque ninguém sabia o que estava acontecendo. “Uma vendedora passou por nós e disse que havia visto um homem armado. Em seguida ouvimos o primeiro tiro.”

Uma lojista que não quis se identificar disse que as portas de todas as lojas do piso térreo foram fechadas. “Alguns clientes ficaram trancados conosco, outros correram para a saída.”

Durante as negociações, chegou ao local um amigo de Juvêncio Júnior que havia recebido uma mensagem dele pelo celular. A pedido da PM, Henrique Belinpane, de 30 anos, passou a participar das conversas para que o segurança se rendesse. “Primeiro, ele (Juvêncio Júnior) ligou e disse que ia se matar. Depois, mandou uma mensagem pelo WhatsApp falando a mesma coisa. Durante as negociações, ele dizia que a vida não valia mais à pena”, contou Belinpane. Segundo ele, o segurança perdeu o pai recentemente e a mãe estaria muito doente. 

Isolamento. De acordo com o aspirante oficial da PM Willer Cintra Pontes, que participou das negociações, foi pedido à segurança do shopping que retirasse todos os clientes e isolasse o pisos térreo, o primeiro andar e o subsolo.

“Enquanto conversávamos, o rapaz ainda deu quatro tiros. Por questão de segurança, houve a necessidade de isolar o local”, disse Pontes, para quem Juvêncio Júnior estava transtornado. Ele se entregou por volta das 17 horas.

A advogada do segurança, Iara Pires Teixeira dos Santos, afirmou que o rapaz teve “um surto” desencadeado por problemas pessoais. “Ele vai passar a noite preso e amanhã (segunda-feira), na audiência de custódia, será decidido se ele vai responder às acusações em liberdade.”

Shopping. Em nota oficial, o Shopping Tucuruvi destacou à tarde que não houve reféns ou feridos na ação e vai colaborar com a Polícia Civil ao longo das investigações.

Mais conteúdo sobre:
tucuruvisequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.