Marcio Fernandes/AE
Marcio Fernandes/AE

Histórias de um pensador de domingo

Aos 80 anos, Boris Fausto fala de São Paulo, futebol e de sua autobiografia

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2010 | 00h00

Sobre a mesa da confortável sala, a última edição da revista Pesquisa, os jornais Estado e Folha de S. Paulo e um romance da espanhola Elvira Lindo - Algo Más Inesperado Que La Muerte. Nada quebraria a tranquilidade de Boris Fausto anteontem, em sua bela casa - da lavra do arquiteto Sérgio Ferro - no Butantã, onde vive desde 1965. Na véspera, o historiador havia recebido amigos e admiradores para autografar suas Memórias de Um Historiador de Domingo.

Aos 80 anos, completados na quarta-feira, um dos maiores historiadores do Brasil consegue traduzir com clareza e bom humor fatos importantes do País, do Estado e da cidade. Não é de estranhar que a recém-lançada autobiografia - praticamente uma continuação de Negócios e Ócios (1997), ganhador do Jabuti - aproveite-se de fatos de sua vida para lançar luz sobre a própria história do Brasil: movimentos de esquerda, ditadura militar, Diretas Já... "De domingo é metáfora. Porque fui um historiador pegando brechas no tempo", explica.

Formado em Direito pela Faculdade do Largo de São Francisco, Boris teve carreira dupla. Aos 32 anos, aconselhado pela mulher - a educadora Cynira Stocco Fausto (1931-2010) -, foi cursar História na USP. "Tinha me formado em Direito por exclusão, porque na cabeça da minha família só havia Direito, Engenharia e Medicina. Minha mulher, vendo minha insatisfação intelectual, deu-me a ideia da nova graduação."

O gosto pelas Ciências Humanas vem da adolescência. Por conta dele, trocou o Colégio Mackenzie, onde estudava desde o primário, pelo São Bento. "O Mackenzie estava preocupado apenas em formar engenheiros." No São Bento, primeiro teve de vencer a resistência religiosa. Filho de judeus - a mãe, Eva, nascida na Turquia; o pai, Simon, na região da Transilvânia, hoje Romênia -, precisou convencer os monges a aceitá-lo, sem o batismo católico.

Humanidades. No novo colégio, além da erudição proporcionada pela rica biblioteca, Boris tornou-se amigo dos irmãos Haroldo e Augusto de Campos, que depois se tornariam pais do concretismo. "Boris era o melhor aluno da aula de Filosofia. Simplesmente, sabia mais do que o professor", comenta Augusto.

A amizade e o convívio intelectual continuariam no Largo de São Francisco. E nos anos seguintes. "A vida nos levou para caminhos diferentes, ele para a História, eu para a poesia. Mas gosto de acompanhar na TV as suas intervenções nas discussões sobre questões de política nacional e internacional", completa Augusto. "Admiro sempre a lucidez intelectual e a clareza com que a expressa."

Antes da História, Boris se tornaria advogado e procurador do Estado. Depois, como consultor jurídico da USP, cargo que ocupou até a aposentadoria, em 1989, aproximou-se do meio acadêmico. "Aí me convidaram para ser professor na universidade. Fui por dez anos, até me cansar da rotina das aulas."

Paulistano de nascimento e coração, contesta quem diz que seu A Revolução de 30 - História e Historiografia, publicado em 1969, expresse um ponto de vista contrário a São Paulo. "Não desprestigio nosso Estado de forma alguma. Aliás, de vez em quando, até escorrego em uma visão pró-paulista."

Memórias de Um Historiador de Domingo relata outras passagens da vida de Boris, em especial sua militância política. Ou, como ele mesmo prefere, "micromilitância". De passado trotskista, chegou a ser preso por quatro dias, em 1969 - ainda vivenciaria outros entreveros com as forças policiais.

Paixões como cinema e futebol também ocupam espaço na narrativa. Atualmente, admite ter reduzido sua frequência às telonas. "Antes frequentava três vezes por semana. Hoje, não vou mais que duas vezes por mês."

O futebol não perdeu importância - ainda que as idas aos estádios também sejam menos comuns do que os jogos pela TV. Corintiano fanático, viu os dois filhos - o sociólogo Sérgio e o antropólogo Carlos - encantarem-se com o Palmeiras dos anos 1970. "Na época, vieram me pedir para torcer pelo Palmeiras", lembra. "Deixei. Nunca detestei o Palmeiras. Mas vou falar uma coisa politicamente incorreta: eu detesto os "bambis", diz, referindo-se aos são paulinos.

Hoje em dia, costuma sair pouco de casa. Com seus interlocutores, cultiva o bom humor - presente, aliás, nas páginas do livro. "O humor de Boris é um dos fios de nossa amizade, pontuada por conversas e jogos de pôquer", conta o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso. Os amigos se reúnem para jogar cartas - hobby de Boris desde a época do São Bento - uma vez por semana.

Com a recente viuvez - Cynira, a quem o livro é dedicado "in memoriam", morreu em junho -, a sensação é que a casa ficou grande demais. "Os móveis incham. A gente diminui com a idade", filosofa ele, um gigante que não mede mais de 1,60 metro.

GIRO POR SÃO PAULO

Estádio: "O Pacaembu é o que mais vezes fui na vida. Vi sua construção, quando garoto. Brincava na obra"

Livrarias: "Gosto da Cultura e da Livraria da Vila. Pela qualidade dos atendentes, o arranjo das instalações"

Restaurantes "Prefiro os de comida japonesa, como o Kinoshita, o Shundi e o Sushi Yassu, e os italianos, como o Piselli e o Pomodori"

Cinemas "O melhor cinema é o mais perto de casa. Mas não gosto dos de shopping: salas já vêm sujas de pipoca e não há cultura cinematográfica"

Parque: "Morei na esquina da Paulista com a Haddock Lobo, perto do Parque Trianon. Minha mulher levava os filhos pequenos ali. Bonita recordação"

SP como um todo: "Quem mora em São Paulo há muito tempo, sofreu um terremoto psicológico. Aqui se perdem as referências"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.