Histórias de fé e devoção em Aparecida

Histórias de fé e devoção em Aparecida

Rito serve de reforço espiritual, em agradecimento ou na busca de alguma graça

Gerson Monteiro, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2016 | 09h59

APARECIDA - O feriado de 12 de outubro em Aparecida, no Vale do Paraíba, interior de São Paulo, é repleto de histórias de fé e devoção. Há quem busque ajuda para saúde de algum familiar, há quem venha apenas como companhia, há também os fieis que repetem o rito todos os anos em agradecimento por alguma graça ou simplesmente como demonstração de fé, um reforço espiritual.

Entre os inúmeros motivos da peregrinação de fieis, sentada à beira do jardim do Santuário Nacional, estava dona Marilene Clautildes de Souza, uma senhora de 61 anos, vinda de Itabuna, na Bahia, segurando duas velas de um metro de altura. Viúva, mãe de seis filhos e avó de 16 netos. Depois de 32 anos morando com seu companheiro, ela sonha em casar-se no Santuário de Aparecida.

Com um brilho no olhar, emocionada, ela comentou seu pedido deste 12 de outubro. "Ele não veio, ficou em casa cuidando dos bichos [o marido cria gatos de estimação]. Quem sabe quando ele vier comigo a São Paulo a gente se case aqui, é o meu sonho", contou.

"Hoje eu estava aqui participando da missa e fiquei pensando 'será que eu posso casar aqui sozinha'", indagou a senhora com certa euforia.

Sonho ou agradecimento, as histórias parecem se repetir a todo instante. "Vim pedir saúde, paz e amor", disse Silvia Machado Castro Martins, peregrina de São João de Meriti (RJ), que veio a Aparecida pela segunda vez no 12 de outubro. "Para mim, estar aqui é uma sensação de dever cumprido, me emociono só de pensar", comentou com os olhos cheio de lágrimas após acender uma vela na Capela das Velas e fazer a sua prece.

Aparecida deve receber neste feriado a presença de 163 mil fieis. Desde a madrugada o acostamento da rodovia Presidente Dutra está tomado por peregrinos vindos de todas as regiões do país. Por toda a extensão da rodovia há pontos de parada mantido por voluntários que oferecem água, frutas, lanches e até comida.

Participam da missa, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, do secretário estadual de Turismo, Laércio Benko, além de diversos políticos da região.

Ao fim da tarde estão programadas a procissão e o encerramento da novena de Nossa Senhora Aparecida. A partir das 21h, shows de Renato Teixeira, Gino e Geno, Rio Negro e Solimões e o cantor Rick Sollo devem animar o público.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.