Heliópolis: moradores voltam a entrar em confronto com polícia

A Polícia Militar tenta conter os manifestantes com balas de borracha após morte de jovem durante a noite

Maíra Teixeira, da Central de Notícias,

01 de setembro de 2009 | 18h58

Foto: JF Diorio/AE

 

SÃO PAULO - Moradores da favela de Heliópolis, zona sul de São Paulo, voltaram a entrar em confronto com a Polícia Militar na tarde desta terça-feira, 1, em protesto contra a morte de uma estudante de 17 anos baleada durante uma suposta troca de tiros entre Guardas Civis Metropolitanos (GCMs) de São Caetano do Sul e um suspeito na Rua Cônego Xavier, na noite desta segunda-feira, 31. Os moradores, que já haviam realizado uma manifestação na madrugada desta terça, provocaram um incêndio.

 

Foto: JF Diorio/AE

 

Desde as 18h desta terça-feira, 1º, quatro viaturas do Corpo de Bombeiros estão empenhadas em acabar com o fogo na favela. A Polícia Militar tenta conter os manifestantes com balas de borracha, mas não informou qual efetivo está na contenção. Até o momento, foram queimados dois carros, e um ônibus  apedrejado.

 

Foto: JF Diorio/AE

 

No final da noite desta segunda-feira, 31, uma garota, de 17 anos, foi baleada na cabeça por uma bala perdida na Rua Cônego Xavier, na região de Heliópolis, zona sul de São Paulo.

 

Foto: JF Diorio/AE

 

Segundo os moradores, a vítima morreu no pronto-socorro do bairro após ser atingida durante o tiroteio entre ladrões de carro e a guarda municipal de São Caetano, cidade vizinha, do Grande ABC, que faz divisa com a região da favela.

 

Foto: JF Diorio/AE

 

Segundo os manifestantes, o tiro que acertou a jovem foi disparado por um GCM. A corporação alega que ainda é muito cedo para afirmar de onde partiu o disparo.

 

Foto: JF Diorio/AE

 

Os GCMs perseguiam um Ford Ka roubado pouco antes em São Caetano do Sul, no ABC paulista, ocupado por um casal. De acordo com o supervisor da corporação Adenízio Nascimento, a perseguição começou no Jardim São José, quando os suspeitos fugiram ao perceber a presença das viaturas, e seguiram rumo a Heliópolis. Conforme o guarda, os ocupantes do carro atiraram várias vezes contra os GCMs, que revidaram.

 

Durante a perseguição, o Ka chegou a bater contra uma das quatro viaturas. Neste momento, de acordo com Nascimento, o suspeito desceu do carro e atirou contra uma delas, que foi atingida por dois disparos na traseira. Já na Estrada das Lágrimas, em Heliópolis, o homem desceu do Ka e correu em direção à Rua Cônego Xavier, seguido por GCMs. "Ao entrarem em varredura (na rua), os guardas viram essa parte (Ana Cristina) no chão, alvejada", afirmou Nascimento. Questionado se a GCM nega a versão dos moradores, de que a estudante teria sido atingida por um tiro disparado por um dos guardas, o supervisor alegou que "ainda é muito cedo para dar qualquer resposta nesse sentido". Já a mulher foi detida dentro do carro, sem reagir.

 

A estudante, que tem uma filha de 1 ano e 8 meses, foi baleada no pescoço por volta das 23h15 e socorrida ao Pronto-Socorro de Heliópolis. Ela não resistiu aos ferimentos e morreu em seguida. A bala ficou alojada no pescoço e a perícia deve apontar de qual arma ela partiu. De acordo com Nascimento, o guarda que pode ter disparado o tiro fatal - que por enquanto não teve o nome divulgado - deve ficar afastado das suas funções até que o caso seja esclarecido. As armas dos GCMs envolvidos serão apreendidas e encaminhadas à perícia.

 

(Com Daniela Canto, da Central de Notícias)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.