Helicópteros da PM já atendem 22 chamados por dia em São Paulo

As 30 aeronaves - incluindo 6 aviões - foram acionadas 8 mil vezes em 2011, 43% a mais do que em 2010

Camilla Haddad, Jornal da Tarde

26 de janeiro de 2012 | 00h24

SÃO PAULO - Perseguições policiais com helicópteros estão se tornando cada vez mais rotineiras no Estado. Em 2011, as 30 aeronaves Águia da Polícia Militar (24 helicópteros e seis aviões) foram acionadas 8.070 vezes para ir atrás de criminosos, média de 22 chamadas por dia. Isso representa um aumento de 43% em comparação com o ano anterior, quando foram 5.620 acionamentos. Segundo a PM, 70% dos atendimentos do helicóptero da PM foram na capital paulista.

O número de operações bem-sucedidas do Grupamento de Radiopatrulha Aérea, ou seja, que resultaram na prisão de criminosos, cresceu praticamente na mesma proporção: de 967 em 2010 para 1.374 no ano passado, alta de 42%. Os casos envolvem roubos de residência, arrastões em prédios, assaltos a banco, lotéricas e sequestros relâmpagos. "O helicóptero permite uma ação de acerto dos policiais em terra, agiliza o atendimento da ocorrência e, principalmente, salva a vida da população com agilidade", diz o especialista em segurança Felipe Gonçalves.

Se não fosse o helicóptero, uma quadrilha que invadiu uma casa no Jardim Paulista, zona sul de São Paulo, não seria capturada. No último dia 12, o bando invadiu a residência e amarrou o proprietário, um bancário de 30 anos. Os criminosos levaram vários objetos de valor e colocaram tudo no carro da vítima. Na saída, o bando foi seguido por terra por viaturas da PM e por ar pelo Águia. Com o apoio aéreo, a polícia conseguiu prender três assaltantes em flagrante. Com eles foram encontrados telefones, relógios de grife, joias e o carro do bancário.

O tenente Rui Galetti, oficial de relações públicas do Grupamento Aéreo, explica que, em algumas ocorrências, o próprio piloto se aproxima dos suspeitos no solo e os prende. "Aconteceu isso uma vez, os tripulantes se aproximaram bem dos ladrões e deram voz de prisão para criminosos que estavam escondidos em uma região de mata."

A PM diz que o acionamento do Águia pode ser feito pelo policial da rua que está na ocorrência, por meio de rádio. Outra forma é o pedido do próprio operador do telefone 190. Se ele analisar que o caso é grave ou precisaria de uma aeronave, ele mesmo faz a solicitação.

Emergências. Em meio a tantos crimes, os pilotos e suas equipes também relatam casos dramáticos de salvamento na água ou resgates de fogo e acidentes. No dia 22 de dezembro, a Favela do Moinho, nos Campos Elísios, região central de São Paulo, ficou em chamas. Onze pessoas foram resgatadas em cestos pelo Águia. O dia de trabalho intenso deixou reflexos no corpo do capitão Marcelo César Cancian, 12 anos no Grupamento de Radiopatrulha Aérea e 25 de PM. "Estava com tensão muscular, travado e com os dedos duros."

Tudo o que sabemos sobre:
HelicópteroRioPMÁguia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.