Helicóptero e prefeitura são atacados no Rio

Aeronave da TV Globo foi atingida por três disparos e teve de fazer um pouso forçado

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2011 | 00h00

Um intenso tiroteio entre policiais civis e traficantes no Complexo do São Carlos, no Estácio, e no Morro da Mineira, no Catumbi, ambos na zona norte do Rio, deixou na manhã de ontem um suposto traficante morto e quatro criminosos feridos, atingiu as vidraças da sede administrativa da prefeitura do Rio, localizada a 1,2 quilômetro da favela, e quase derrubou o helicóptero da TV Globo, alvejado com três disparos quando fazia imagens da ação policial.

"Foi um ato de traficantes desesperados ao perderem terreno, armas e drogas", afirmou o delegado Ronaldo Oliveira, diretor do Departamento de Delegacias Especializadas, que coordenou a ação.

Cerca de 150 agentes de sete delegacias especializadas invadiram o morro, por volta das 6 horas, para prender traficantes e colher provas para inquéritos. Foram recebidos a tiros. Conhecido como "caveirão do ar", o helicóptero blindado da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) fez voos rasantes na favela com atiradores, que trocaram tiros com traficantes.

No início do confronto, um homem foi detido após ser ferido de raspão na cabeça. Em seguida, quatro traficantes foram baleados e socorridos. Dois deles estavam em estado grave.

Por volta de 8 horas, o helicóptero da TV Globo foi atingido. Segundo nota da emissora, a aeronave conhecida como Globocop preparava-se para fazer imagens da ação policial no Morro da Mineira quando foi atingida por três tiros. Um dos projéteis atingiu o assoalho, o segundo a região central da cabine e o terceiro, a cauda da aeronave, modelo Eurocopter AS350 B2. Este terceiro tiro "afetou a dirigibilidade e obrigou o piloto Antonio Ramos a realizar um pouso forçado no Aeroporto de Jacarepaguá", segundo a TV Globo.

Além do piloto, estavam a bordo o operador de sistemas Roberto Mello Reis e a repórter Karina Borges. Um dos disparos atingiu a pasta de um tripulante, mas ninguém ficou ferido.

Em seguida, traficantes atiraram contra o prédio da prefeitura do Rio, na Cidade Nova, localizado a 1,2 quilômetro da entrada do Morro do São Carlos. Dois tiros de fuzil atingiram a janela do 5º andar na Secretaria de Assistência Social, dois atingiram o 10.º pavimento onde funciona a Secretaria de Urbanismo e um tiro atingiu a Controladoria, no 14.º andar. Outro tiro ainda atingiu o 11.º andar do prédio anexo.

Funcionários contam que poucas pessoas estavam no prédio na hora. "Não foi a primeira vez que aconteceu, mas foi a pior. Ficamos abrigados no corredor. Em seguida, a segurança nos orientou a descer para o saguão do prédio", contou um funcionário, que preferiu não se identificar. Ninguém ficou ferido.

Segundo a Assessoria de Imprensa da prefeitura, o 13.º andar, onde fica o gabinete do prefeito, não foi atingido. Paes cancelou compromissos pela manhã e divulgou nota reafirmando apoio à política de segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.