HC vai ajudar a atender viciados na cracolândia

Alckmin anunciou que ampliará o número de leitos para internação; procura por unidade central após parceria com Justiça mais que dobrou

TIAGO DANTAS, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2013 | 02h03

O aumento na procura por atendimento no Centro de Referência de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod) após o início da parceria com o Judiciário, iniciada na segunda-feira, fez o governo do Estado reforçar o número de funcionários na unidade e de leitos para internação. Nos próximos dias, funcionários da Equipe de Álcool e Drogas do Hospital das Clínicas vão se juntar ao mutirão no Cratod.

Esse profissionais devem ajudar nas análises médicas dos dependentes químicos que têm procurado a unidade com mais frequência. Em dois dias, o Cratod fez 81 atendimentos presenciais, além de receber dezenas de telefonemas e e-mails, parte deles de outras cidades. A média da semana anterior era de cerca de 30 atendimentos por semana, segundo funcionários do local.

Parte dos atendimentos destina-se a pedidos de informação. Para isso, a Secretaria de Estado da Saúde pretende criar uma linha telefônica gratuita já na próxima semana. A ideia é que funcionários da área da saúde sejam treinados para tirar dúvidas por meio do telefone.

"Nos últimos dias, o Cratod acabou virando um pronto-socorro", definiu o secretário da Saúde, Giovanni Guido Cerri. Desde segunda-feira, muitas mães têm ido à unidade para internar os filhos e deixado o local revoltadas quando o atendimento indicado é o ambulatorial.

"A internação é para casos extremos. Não pode ser usada de forma indiscriminada", disse Cerri. Desde segunda-feira, ao menos oito pessoas foram internadas após passar por atendimento no Cratod. A unidade tem dez leitos de observação.

Em um deles, um paciente era mantido com a perna direita presa à cama ontem à tarde. A cena foi flagrada pelo Estado por volta das 16h30. O método está dentro da rotina clínica, segundo a Secretaria de Estado da Saúde, e foi usado para estabilizar o paciente, que estava violento.

Mais vagas. Embora garanta que as 691 vagas disponíveis para internação em todo o Estado são suficientes, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) vai criar mais 66 leitos exclusivos para os dependentes químicos que buscarem a internação no Cratod. Até sexta-feira, 44 vagas estarão disponíveis. Outras 22 deverão passar a existir próxima semana.

O anúncio foi feito após uma visita do governador à unidade. Enquanto percorria os corredores do Cratod, Alckmin foi parado pela dona de casa Sônia Aparecida Klein, de 48 anos, que acorrentou o filho antes de levá-lo ao centro, anteontem.

Elson Aparecido Medeiros, de 22 anos, está em observação no Cratod, enquanto aguarda decisão sobre internação. "O Alckmin segurou minha mão e disse que a internação ia sair hoje (ontem), mas não deram previsão de quando vai ser", disse Sônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.