Haddad vai revisar salário de todos os servidores municipais

Prefeito deve fechar até agosto acordo com a FGV para a realização de uma auditoria na folha, que soma R$ 977 milhões

ARTUR RODRIGUES, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2013 | 02h03

O prefeito Fernando Haddad (PT) quer revisar os salários de todos os funcionários da administração municipal de São Paulo até o fim deste ano. Para isso, vai fechar até agosto um acordo para que a Fundação Getúlio Vargas (FGV) faça uma auditoria completa na folha de pagamento do governo municipal.

De acordo com a Secretaria Municipal de Planejamento (Sempla), a Prefeitura tem 197.166 funcionários, 60.809 deles inativos. O gasto com a folha de pagamento no mês de junho foi de R$ 977 milhões - quase um terço (R$ 303 milhões) com servidores inativos. "Se você faz uma auditoria, é para garantir que aquele servidor que esteja recebendo menos do que a lei estabelece receba mais, mas aquele que recebe mais indevidamente também seja identificado", afirma o prefeito.

De acordo com Haddad, a decisão de contratar a auditoria foi tomada por causa da "complexidade da folha de pagamento" da cidade.

Ele afirma que existem interpretações erradas de sentenças judiciais que podem resultar em funcionários ganhando mais do que deveriam. "Até porque, em geral, quando aquele que interpreta a lei erra, erra em proveito do servidor para evitar de ser considerado improbo no cumprimento da sentença judicial", afirma Haddah, que não citou um caso prático desta distorção.

Ele garante que a ação pode resultar em economia, embora esse não seja o objetivo da Prefeitura. "Isso tem acontecido em outros Estados e municípios", afirma o prefeito, que vem fazendo cortes em contratos do Município desde que assumiu.

Prazos. O protocolo de intenções com a FGV foi assinado ontem pela Prefeitura. A Sempla informou que o acordo, que tem vigência de 48 meses, é para "o desenvolvimento futuro de estudos e projetos e o ensino e treinamento de pessoal, além do aprimoramento de mecanismos administrativos".

A FGV informou à Prefeitura que a análise dos salários deve começar em agosto e vai durar nove meses.

Não foi revelado quanto será pago para a entidade realizar o serviço ou como será o processo de levantamento de eventuais irregularidades nos salários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.