Haddad terá verba federal para construção de mais dois BRTs

Até março, SP terá 165 km de obras em corredores de ônibus; R$ 2,6 bilhões são do Programa de Aceleração do Crescimento

Rafael Italiani , O Estado de S. Paulo

16 Setembro 2014 | 03h00

SÃO PAULO - Até março, São Paulo terá em execução as obras de 165 quilômetros de corredores de ônibus, segundo o prefeito Fernando Haddad (PT), que na manhã desta segunda-feira, 15, assinou dez contratos com a Caixa Econômica Federal para ter R$ 2,6 bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O dinheiro será usado para construir mais dois BRTs que, juntos, terão 32 quilômetros de extensão. 

Do total, R$ 1,9 bilhão será destinado à construção de corredores de ônibus e obras viárias. O restante do recurso será investido em piscinões, um parque linear em Perus, na zona oeste, e obras de drenagem. É a terceira vez que Haddad recebe dinheiro do PAC para investir em mobilidade urbana e drenagem. Ao todo, a Prefeitura já recebeu mais de R$ 13 milhões do governo federal.

“Em 2015 e 2016, São Paulo vai transformar-se em um canteiro de obras. Os 165 quilômetros de corredores estarão em execução até março”, disse Haddad. O governo federal liberou R$ 487 milhões para o BRT Perimetral Bandeirantes-Salim Farah Maluf (16 quilômetros) e mais R$ 529 milhões para a extensão Itaim Paulista-São Mateus, que começam a ser construídos em 2015. Segundo Haddad, a cidade tem 37,5 quilômetros de corredores em obras. Neste ano a Prefeitura começará a construir 60,8 quilômetros. Todos os 165 quilômetros têm recursos do PAC. 

Entre os corredores que começarão a ser construídos ainda neste ano estão os BRTs da Radial Leste (17 quilômetros) e da Avenida Aricanduva (14 quilômetros), que devem ficar prontos em dois anos. Os BRTs têm faixas de ultrapassagem para os ônibus e pontos maiores do que os tradicionais. 

Superarticulados. Esses corredores também vão servir para reorganizar a distribuição das linhas de coletivo de São Paulo, além de poder receber ônibus biarticulados e superarticulados. O evento na Caixa Econômica Federal teve a participação do superintendente regional, Paulo José Galli, do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e do ministro das Cidades, Gilberto Occhi.

Mais conteúdo sobre:
Fernando HaddadSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.