Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Haddad: ‘SP está fora do mercado de crédito desde a gestão Maluf’

Em entrevista ao 'Estado', prefeito de São Paulo comentou saúde financeira da cidade; leia

Entrevista com

Fernando Haddad

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

24 Novembro 2016 | 03h00

O senhor deixará em caixa quase a mesma quantia que seu antecessor deixou. Como está a saúde financeira da cidade?

Há quatro indicadores que atestam a saúde financeira de um município. O primeiro é o endividamento, e o de São Paulo caiu a um terço do que era depois que fiz a renegociação da dívida. Se não fosse isso, a dívida terminaria o ano em R$ 81 bilhões. Ele (João Doria) vai receber uma dívida de R$ 29 bilhões. Isso abre espaço fiscal para investimento e para endividamento, porque a dívida está em 74% da receita líquida, quando o teto é de 120%. Ou seja: tem quase 50% da receita corrente líquida em espaço para se endividar. 

Então a Prefeitura poderá fazer investimentos a partir de empréstimos?

São Paulo está fora do mercado de crédito desde a gestão Maluf, porque não tinha capacidade de contrair empréstimo. Isso além de R$ 8 bilhões em convênios com o PAC. 

Mas há perspectiva de sair recursos federais agora?

Tem saído um pouco, sim. 

E os demais indicadores? 

Comprometimento com a folha de pagamento. São Paulo é a capital com menor grau de comprometimento da folha, 36%. O ponto três é a autonomia financeira: 70% das receitas da cidade, hoje, são próprias. O quarto ponto, aí sim, é o dinheiro em caixa. Temos 1,3 mês de pagamento em caixa. A média das cidades é 0,7 mês. Esses quatro indicadores é que conferiram à cidade o selo de grau de investimento da agência Fitch. 

Mas a Prefeitura não tem mais esse selo, não é? 

Está suspenso, não só o nosso como o do governo do Estado e da cidade do Rio, porque o País perdeu o grau de investimento. Quando um país perde o selo, o dos entes federados fica suspenso. 

E o que significa para a receita do Município ter esse selo? 

Facilita a busca de empréstimos externos e mais baratos. O BNDES não faz análise de risco, mas os bancos internacionais exigem. Se você quer fazer investimentos por meio de uma PPP, facilita. 

Mais conteúdo sobre:
São PauloJoão DoriaBNDESPPP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.