Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

Haddad prevê R$ 1,3 bi a menos em 2016

Queda na arrecadação é atribuída à crise econômica em Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) aprovada; Câmara entra em recesso

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

02 de julho de 2015 | 21h08

Atualizada às 23h46

SÃO PAULO - A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) da Prefeitura de São Paulo foi aprovada nesta quinta-feira, 2, por unanimidade pela Câmara e prevê arrecadação R$ 1,3 bilhão menor. A administração municipal diz que a revisão se deve à atual crise econômica. Foram 35 votos a favor e 8 contra, em segunda votação. O texto segue agora para sanção do prefeito Fernando Haddad (PT).

Pelo projeto, a previsão de arrecadação para 2016 é de R$ 50 bilhões, ante R$ 51,3 bilhões de 2015. Segundo o projeto do Executivo, a atual crise já é visível na redução de arrecadação com o Imposto de Circulação Sobre Mercadorias e Serviços (ICMS) – que é dividido com o governo do Estado. “O governo tem condições de fazer uma administração de acordo com o cenário econômico atual”, comentou o vereador Antônio Donato (PT), presidente da Câmara Municipal. 

O vereador Andrea Matarazzo (PSDB), um dos que votaram contra a aprovação do projeto, criticou o texto do começo ao fim. “Eu considero um plano de ficção científica. Estão aqui as mesmas metas do ano passado que, de novo, não serão cumpridas.” Ele citou como o exemplo a previsão de 20 Centros de Educação Unificados (CEUs). “Mas só um ficou pronto.”

Vereadores ligados à bancada de apoio ao Executivo esperam que o governo consiga, por meio de recursos na Justiça, renegociar as dívidas com a União para compensar a perda na arrecadação. E ainda há expectativa de que o Legislativo devolva à Prefeitura cerca de R$ 50 milhões. O projeto prevê que os recursos sejam gastos de acordo com as necessidades regionais detectadas no projeto “Câmara no seu bairro”.

Sem gênero. Durante a sessão desta quinta, a última antes do recesso, os vereadores também retiraram da LDO menções referentes à diversidade sexual. A frase que dizia “promoção de igualdade de raça, gênero e orientação sexual” deixou de acompanhar o texto.

A medida é adotada depois de a Comissão de Finanças também retirar do Plano Municipal de Educação todas as menções sobre diversidade sexual. A ideia inicial era discutir o tema nas escolas municipais. Entidades religiosas pressionaram os vereadores para retirar o texto. Já os movimentos LGBT tentaram manter as referências, mas não conseguiram. O texto final vai para votação em plenário no mês que vem, quando os vereadores voltarem do recesso de meio de ano.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.