Haddad pede compreensão aos comerciantes da Feira da Madrugada

Prefeito diz que o laudo Corpo de Bombeiros é taxativo: 'O local desrespeita a segurança dos próprios trabalhadores e dos visitantes'

Mônica Reolom - Estadão,

30 Abril 2013 | 15h55

A Prefeitura de São Paulo concedeu um prazo de dez dias, a partir de hoje (30), para os comerciantes saírem da Feira da Madrugada, realizada todos os dias no Brás, na região central.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, afirmou que o laudo do Corpo de Bombeiros foi taxativo sobre a situação do local, que precisa passar por reformas. “O local desrespeita a segurança dos próprios trabalhadores e dos visitantes”, afirmou. Segundo o prefeito, não há condição de entrada de policiais para combater um eventual incêndio. Ele acrescentou que a distância entre os 4 mil boxes precisa ser repensada, além da parte hidráulica e elétrica.

Haddad, que visitou na manhã desta terça-feira, dia 30, o Hospital São Luiz Gonzaga, zona norte da capital, ainda pediu a “compreensão” dos comerciantes da Feira da Madrugada para que a retirada seja feita de maneira pacífica. “As pessoas estão cadastradas e vão poder depois retornar, mas em condição de segurança. Nós temos um pacto com a União de que aquela área é federal, de que ali vai ter um centro de compras. Mas vamos pactuar com os comerciantes que estão cadastrados”, prometeu o prefeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.