JOSÉ PATRICIO/ESTADÃO
JOSÉ PATRICIO/ESTADÃO

Haddad nomeia ex-presidente da Câmara para cargo de Padilha

Chegada do deputado estadual e secretário nacional do PT José Américo deve amenizar disputas e críticas do partido ao prefeito

Bruno Ribeiro, O Estado de São Paulo

17 de agosto de 2015 | 20h35

SÃO PAULO - O prefeito Fernando Haddad (PT) nomeou nesta segunda-feira, 17, o deputado estadual e secretário nacional de Comunicação do PT, José Américo, para assumir a Secretaria de Relações Governamentais. O cargo estava vago desde a ida do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha para a Secretaria Municipal da Saúde, no lugar do ex-prefeito de Diadema, no ABC, José di Fillipi Júnior, demitido do posto.

A medida tenta apaziguar a relação entre diferentes correntes petista em conflito indireto na capital, que frequentemente respinga no próprio prefeito.

Américo, presidente da Câmara Municipal até 2013, deixou o posto para assumir cargo de deputado estadual. Em seu lugar, o ex-deputado José Zico Prato (PT) -- que frenquentou a Assembleia Legislativa por seis mandatos e não conseguiu se reeleger em 2014 -- deve voltar à bancada petista estadual.

A saída de Américo da Câmara, no fim de 2013, onde ele ocupava a presidência da Casa, abriu espaço para Antonio Donato (PT) assumir o posto. Donato, que também havia sido eleito vereador, havia deixado o Legislativo para assumir cargo de secretário de governo de Haddad. Mas voltou à Câmara quando foi relacionado à Máfia do Imposto Sobre Serviços (ISS). Ele sempre negou qualquer ligação com o esquema e nenhuma das denúncias contra ele foi comprovava, o que resultou na não apresentação, até hoje, de nenhuma denuncia contra o parlamentar à Justiça.

Américo e Donato são da corrente Novo Rumo do PT, que inclui a maioria dos vereadores do partido na Câmara, mas que não tinha nenhum representante na Prefeitura -- fato que ganhava mais peso, na avaliação do partido, pelo fato de que há seis secretários filiados à legenda no governo Haddad. “A inclusão de um nome do grupo era uma reivindicação antiga. Américo é uma boa escolha ao cargo por seus méritos”, disse Donato.

A escolha de Américo, entretanto, não foi uma decisão de toda a bancada. Arselino Tatto, líder do PT na Câmara, soube da nomeação pelo Estado. “Não tenho nada a comentar”, disse o vereador, sem esconder a surpresa. A função do secretário de Relações Governamentais é justamente intermediar a relação do Executivo com o Legislativo.

Petistas ouvidos pela reportagem disseram esperar que, com chegada de Américo, Haddad também consiga acelerar a aprovação de projetos no Tribunal de Contas do Município (TCM). O conselheiro João Antônio, que deixou o PT quando foi para o TCM e também chegou a ser justamente secretário de Relações Governamentais de Haddad, é aliado histórico de Américo e Donato. Em sua mesa, aguardando aprovação, estão duas das principais esperanças da gestão Haddad em chegar nas eleições com vitrines políticas fortes: os projetos que trocam as lâmpadas da cidade por luzes de LED e a licitação de corredores de ônibus entre as zonas sul e leste da capital.

Entre os críticos à mudança, a reclamação maior é com relação ao trabalho desenvolvido por Américo no partido. "A comunicação do PT não vive seus melhores momentos", disse um aliado que questionou a nomeação. A comunicação de Haddad também é alvo constante de aliados na Câmara.

A reportagem tentou contato com o novo secretário, mas ele não atendeu o telefone até a publicação deste texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.