Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Haddad nega que vá paralisar plano de 40 km/h em vias de bairro

Segundo Haddad, programa de redução só seria revisto se não houver redução do número de vítimas ou problemas com lentidão

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S. Paulo

01 de setembro de 2015 | 17h12

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) negou nesta terça-feira, 1º, que vai congelar o plano de redução da velocidade máxima para 40 km/h nas vias de bairro. O objetivo com o programa de diminuição do limite de velocidade é reduzir o número de mortos e feridos no trânsito da capital paulista.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, após o desgaste provocado pela redução do limite em avenidas importantes da cidade, o prefeito havia decidido paralisar o passo seguinte do projeto, que é alterar a velocidade máxima em vias coletoras, previsto para acontecer em 2016, ano eleitoral. Haddad, no entanto, desmentiu a informação.

"Quando lancei o programa deixei claro que iríamos acompanhar duas variáveis: a queda dos acidentes sobretudo aqueles com vítimas, e a lentidão no trânsito. As duas variáveis estão em queda", disse Haddad, após participar da solenidade de anúncio de construção de 126 casas destinadas para habitação social no centro da cidade. "Enquanto isso estiver acontecendo o programa não será revisto", afirmou.

De acordo com Haddad, não há qualquer previsão para alterar "um projeto que vem dando certo". O programa só passaria por uma "recalibragem", segundo o prefeito, se a tendência de queda da lentidão e dos acidentes se inverter. "Se isso se alterar, vamos divulgar os resultados e eventualmente podemos fazer uma recalibragem. Não é o caso no momento. Ao contrário. Todos os indicadores são favoráveis. Para que alterar um programa que está dando certo?"

Para Haddad, a população perceberá aos poucos os benefícios da medida adotada pela prefeitura. "Mesmo com toda a dificuldade de explicar, porque não é óbvio, que a queda da velocidade melhora o trânsito em função da queda de acidentes. Isso as pessoas vão sentindo aos poucos", disse. 

Tudo o que sabemos sobre:
Fernando HaddadSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.