JF DIORIO /ESTADÃO
JF DIORIO /ESTADÃO

Haddad não diz se vai manter tarifa de ônibus em 2016

Estado revelou nesta sexta-feira que gestão aumentou no orçamento a previsão de gastos com subsídios para empresas de ônibus

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

02 de outubro de 2015 | 17h51

SÃO PAULO - Após aumentar a previsão de gastos com subsídios para empresas de ônibus, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse na manhã desta sexta-feira, 2, que é "precipitado" afirmar se a medida vai garantir o congelamento da tarifa de ônibus em 2016.

Na manhã desta sexta-feira, 2, durante inauguração de uma UBS no Butantã, o prefeito foi pressionado por jornalistas para responder se a tarifa será mantida no ano que vem. Haddad preferiu não responder, pois, segundo ele, é cedo para tratar do assunto. Ele disse que a imprensa está "querendo forçar uma discussão que não está na mesa".

"Uma variável importante é que nós devemos soltar o edital de licitação neste mês, então isso pode ter impacto sobre o orçamento do ano que vem, dependendo de como se desdobrar", afirmou.

Outra variável citada pelo prefeito, que pode refletir nos cálculos do valor da tarifa, é o passe livre. De acordo com Haddad, há na capital 800 mil beneficiários do passe livre: 500 mil estudantes e 300 mil idosos. 

"Por exemplo, política de gratuidade. Qual é o impacto disso para o ano que vem? Tem que projetar a evolução dos benefícios. Esse número vai aumentar ou vai diminuir? Então, como é que você pode tirar essa conclusão sem ter os dados técnicos na mão?", disse Haddad. 

O prefeito explicou que as decisões sobre aumento da tarifa do transporte público têm sido organizadas em parceria entre as Prefeituras e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

"A política tem sido metropolitana, municipal e estadual e, portanto, essa questão do calendário político não tem sido a tônica das decisões. São Paulo, especificamente, está numa situação peculiar, com o contrato em aberto. Como é que já se tira essa conclusão do que vai ou não vai? Estamos no curso de um processo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.