WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Haddad lança edital de concessão da Feira da Madrugada pela 2ª vez

Vencedor assumirá por 35 anos a revitalização e a gestão de toda a área, que terá um shopping popular no lugar de boxes

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

24 Dezembro 2014 | 03h00

SÃO PAULO - A gestão Fernando Haddad (PT) retomou o projeto de privatização da Feira da Madrugada, no Brás, região central. Orçada em R$ 1,5 bilhão, a licitação, que havia sido suspensa em abril, foi aberta novamente no dia 13. O vencedor assumirá, por um período de 35 anos, a revitalização e a concessão de toda a área, com a construção de um shopping popular em substituição aos atuais 4 mil boxes dos ambulantes, além de edifício comercial, hotel, estacionamento para carros e ônibus e centros de apoio ao turista. 

Oficialmente, a decisão de paralisar o processo por sete meses foi tomada porque o texto apresentado pela Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo em fevereiro continha problemas técnicos na proposta formulada. Mas outras falhas também preocupavam e continuam inquietando a Prefeitura, como a ocupação irregular dos boxes reformados no fim do ano passado. O caso é investigado pelo Ministério Público Estadual.


Com a concessão da área, a previsão é de que não apenas a venda ilegal de espaço seja resolvida, mas os outros problemas que envolvem a feira: trânsito, falta de espaço adequado para a circulação de pedestres e presença de ambulantes. O processo de privatização faz parte do acordo feito pela Prefeitura com a União, que é dona da área. 

Se tudo der certo desta vez, as obras devem ser iniciadas em 2016 e concluídas em até quatro anos. Nesse período, a empresa que vencer a licitação deverá tocar o projeto e ao mesmo tempo assegurar aos comerciantes legalizados um espaço para trabalhar. O investimento previsto é de R$ 250 milhões. O concessionário poderá explorar economicamente toda a infraestrutura prevista no projeto do Circuito das Compras e compensar a Prefeitura com parte das receitas[ ].

Circular. De acordo com a Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo (SDTE), o novo conjunto de instalações tem o objetivo de valorizar a região central da cidade voltada ao turismo de compras. Segundo a pasta, serão beneficiadas as áreas do Bom Retiro, Brás, Santa Ifigênia e 25 de Março. 

As principais ruas comerciais desses bairros serão atendidas por linhas de ônibus circulares e também por um novo sistema de transporte de mercadorias. Hoje, ambos os serviços são oferecidos de forma irregular.

“O objetivo é promover a requalificação urbana das áreas, garantindo condições dignas de trabalho aos pequenos comerciantes e o incremento da atividade econômica do local, tornando-as mais atrativas aos turistas, gerando mais empregos e recursos para a população do município”, afirma nota da secretaria. 

A estimativa da Prefeitura é que 500 mil pessoas passem diariamente pelas quatro regiões de compra do centro - 13 mil delas chegam à cidade em ônibus fretados e cerca de 170 mil gastam, em média, R$ 4,5 mil por viagem. O resultado da licitação deve ser conhecido em fevereiro - a abertura das propostas está prevista para o dia 24.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.