Fábio Arantes/Secom/Divulgação
Fábio Arantes/Secom/Divulgação

Haddad lança consulta para criar Procon paulistano online

Serviço de defesa do consumidor municipal será exclusivamente digital e complementará os existentes nas esferas federal e estadual

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

11 de fevereiro de 2016 | 15h11

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), anunciou nesta quinta-feira, 11, o lançamento de consulta pública para a criação do Procon paulistano, órgão municipal de defesa do consumidor. A expectativa é de que o serviço entre em funcionamento até junho.

Nos próximos 30 dias, o decreto ficará disponível para consulta pública. A plataforma será exclusivamente digital e vai complementar os serviços federal e estadual. A proposta é que reclamações sobre empresas já cadastradas no sistema federal sejam redirecionadas ao portal da União (www.consumidor.gov.br). 

“A cidade injustificadamente não tinha um Procon. É a maior cidade do País. São 800 cidades com Procons municipais e 11 capitais sem, uma delas São Paulo”, afirmou Haddad. 

O serviço, segundo a gestão Haddad, não vai gerar aumento de despesa e não haverá criação de cargos. A Prefeitura vai aproveitar a estrutura já existente da Procuradoria-Geral do Município.

"A dimensão virtual é um ganho do ponto de vista da transparência por ter um grau de eficiência muito grande. A tendência é essa, de inclusão digital", afirmou o prefeito. 

Segundo Haddad, realocar funcionários de carreira para o Procon paulistano vai garantir uma mediação mais eficaz e uma "blindagem institucional".

Para o serviço de atendimento ao consumidor, serão destinados cinco procuradores da Controladoria-Geral do Município (CGM) e 60 servidores em dois turnos. Outras 20 funcionários vão mediar conflitos.

A minuta do decreto prevê a modernização do Decreto 40.202/2000. O texto instituiu a criação do Procon municipal na gestão do ex-prefeito Celso Pitta (PPB).

Eleição. Em ano eleitoral, Haddad lança um órgão que assegura mais direitos aos consumidores. O tema é a principal bandeira de atuação do deputado federal Celso Russomanno (PRB), pré-candidato a prefeito e principal rival do petista.

O prefeito, no entanto, negou que a criação do serviço seja um aceno ao eleitorado de Russomanno: "Isso está previsto no Programa de Metas da Prefeitura desde 2013. A gente tem que parar de raciocinar que o governo não trabalha no último ano de mandato. O governo trabalha 4 anos. Até 31 de dezembro tem que estar trabalhando, inovando. Sobretudo quando são políticas de governo, não são bandeiras partidárias", disse.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.