Haddad lamenta atropelamento de foliões e diz ser difícil evitar acidentes

Na entrega da chave da cidade à corte do samba no Anhembi, prefeito afirma que carnaval de rua da capital é um dos melhores dos últimos anos

Fabio Leite, O Estadom de S. Paulo

25 Fevereiro 2014 | 12h27

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse nesta terça-feira, 25, que o atropelamento de dez pessoas após a passagem de um bloco do carnaval de rua no último domingo na Vila Madalena, zona oeste da capital, foi "lamentável", mas difícil de ser evitado pelos agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) por se tratar de um caso de embriaguez ao volante.

"São Paulo está vivendo várias manifestações e você raramente vê o comportamento de um motorista como o que se observou no final de semana. Essas coisas, a pessoa se embriagar e perder a cabeça, essas coisas lamentáveis, é muito difícil que a CET consiga evitar que aconteça. Agora, acho que foi o melhor carnaval de rua dos últimos anos e, tirando esse incidente, a coisa ocorreu muito naturalmente, com dezenas de milhares de paulistanos nas ruas", disse Haddad, que entregou a chave da cidade à corte do carnaval paulistano de 2014, no Sambódromo do Anhembi, na zona norte.

Ontem, a CET informou que vai reforçar ações no trânsito durante a passagem dos foliões para garantir a segurança dos 51 blocos de carnaval que sairão às ruas de São Paulo entre hoje e domingo. No fim de semana passado, o empresário Sulivan Cândido de Oliveira, de 26 anos, atropelou dez foliões no cruzamento das ruas Fidalga e Aspicuelta, após a passagem do bloco "Nóis Trupica mais num Cai", que reuniu cerca de 5 mil pessoas.

O motorista foi preso em flagrante por lesão corporal culposa e embriaguez ao volante e levado ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros. Após o atropelamento, ele foi linchado pela multidão e seu veículo, uma Mitsubishi Pajero preta, foi depredado. A mulher dele, Luana de Souza Siqueira, de 29 anos, e uma terceira pessoa que tentou evitar o linchamento também foram agredidas. As vítimas atropeladas sofreram ferimentos leves.

Haddad disse também o serviço de limpeza das ruas que recebem os blocos tem sido feito imediatamente após a passagem dos foliões e considerou este carnaval de rua um dos melhores dos últimos anos. "Evidentemente que algumas pessoas podem não gostar do carnaval de rua, mas o fato é que há uma demanda social crescente para organizar o carnaval de rua como fez o Rio, Salvador e Recife. É uma semana que as pessoas tem direito à descontração. Acho que distenciona a cidade, a cidade fica mais alegre, mais motivada. Todas as informações que recebi é de um balanço muito positivo", afirmou o prefeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.