Haddad e Alckmin assinam convênios de R$ 200 milhões

Governo do Estado fará repasses à capital paulista em áreas sociais, ambientais e de cultura

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

22 de maio de 2015 | 21h06

Atualizada às 21h45

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), e o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciaram em conjunto no fim da tarde desta sexta-feira, 22, a assinatura de convênios para construção de creches, recuperação de mananciais, fomento de uma agência de cinema e incremento de um fundo municipal para Assistência Social. Em conjunto, as iniciativas representam repasse de cerca de R$ 200 milhões do Estado ao município.

Petista e tucano destacaram o investimento na área de habitação. O Estado vai arcar com R$ 80 milhões para a construção de 4.000 unidades habitacionais em terrenos do centro expandido, cedidos pela Prefeitura. Alckmin e Haddad já têm parceria, assinada em 2013 em meio a uma Parceria Público-Privada (PPP), para habitações populares.

O segundo convênio de maior valor refere-se a transferência de recursos entre fundos, do estadual para o municipal, para Assistência e Desenvolvimento Social, que envolve repasse de R$ 64,8 milhões. O recurso é usado em programas da Prefeitura, desde a manutenção de programas para crianças em situação de risco a moradores de rua.

A terceira área é a proteção dos mananciais. A Prefeitura receberá R$ 30 milhões. Os serviços de urbanização de favelas e coleta de esgotos próximos às represas da cidade, que são feitos pela Prefeitura em parceria com Estado e União, têm tido problemas de continuidade desde o começo da gestão Haddad, por causa de desentendimentos entre técnicos da capital e do governo federal.

Creches. O prefeito Haddad destacou as parcerias para construção de creches. O convênio assinado nesta sexta-feira, de R$ 20 milhões, permitirá a construção de cinco unidades, abrindo mais mil vagas no município para crianças de zero a três anos. Haddad afirmou que, mantendo o ritmo de contratos e parcerias para abertura de novas vagas, seria "factível" a cidade terminar o ano de 2016 com oferta de vagas adequada à procura.

Por fim, o último convênio, de R$ 5 milhões, servirá para custear a agência de incentivo à produção de cinema na cidade criada por Haddad, a SPCine.

Tudo o que sabemos sobre:
Fernando HaddadGeraldo Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.