Estadao
Estadao

Haddad diz que remoção de famílias na Vila Itaim depende de obra do Estado

Prefeito afirmou que construção de um piscinão na área vem sendo cobrada há um ano e meio; parte do bairro está inundada desde segunda-feira

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2015 | 12h34

SÃO PAULO - O prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou nesta quinta-feira, 19, que a remoção das famílias na área submergível da Vila Itaim, na zona leste da capital paulista, depende da licitação de uma obra do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), que pertence ao governo do Estado. Parte do bairro está inundada desde a noite de segunda-feira, 16. Segundo o petista, o órgão está há um ano e meio para lançar o edital para a construção de um piscinão no local.

"O DAEE já assinou o termo de compensação ambiental. Eu só não entendo por que o DAEE não licita a obra. Sem a licitação da obra não há como remover as famílias sob pena de que as famílias reocupem depois da desocupação. É preciso ter um contrato com uma construtora definida. Eles não têm nem a construtora definida de quem vai fazer a obra. Eles precisam licitar a obra. Já foi cobrado várias vezes, eles não publicam o edital de licitação", criticou Haddad.

Ainda de acordo com ele, em setembro de 2013, representantes da Prefeitura e do DAEE, que já estava sob a administração do tucano Geraldo Alckmin, se reuniram na Vila Itaim, com a presença de moradores, e se comprometeram com o empreendimento.

"Há um ano e meio atrás, eles estiveram lá, se comprometeram com a comunidade iniciar as obras e (até agora) sequer licitaram as obras. Então, o DAEE, infelizmente está transmitindo uma informação equivocada para a população. Acho um desrespeito o que eles estão fazendo com a população", disse o prefeito.

Haddad falou que a obra precisa ser licitada para seja definido o seu perímetro no terreno "e saber exatamente quais famílias precisam ser removidas" do local.

"A remoção das famílias tem que ser acompanhada da entrada da construtora, para ela iniciar o canteiro de obras. Se não iniciar o canteiro de obras, você vai remover as famílias e dali a uma semana, dali a um mês, nova ocupação vai acontecer. A pergunta que não quer calar é por que o DAEE, há um ano e meio, não publica o edital de licitação, sendo que é um compromisso assumido de compensação ambiental", disse o prefeito, que afirmou ainda que o órgão estadual é cobrado mensalmente pela publicação do edital.

Outro lado. Em nota à imprensa distribuída na quarta-feira, 18, o DAEE havia informado que a obra do piscinão "aguarda o reassentamento, pela Prefeitura, de 280 famílias de áreas invadidas" e que o "projeto básico está pronto e foi entregue ao município em 2013".

Outro pôlder construído pelo DAEE e entregue em 2011, evitou inundações no Jardim Romano, um bairro da mesma região, que também alagou em 2009.

Ainda segundo a nota, desde 2011, "o DAEE retirou 9,2 milhões de metros cúbicos de sujeira do Rio Tietê e seus afluentes, contribuindo decisivamente para reduzir os impactos das chuvas em toda a Região Metropolitana. O volume é maior do que a capacidade somada de todos os 51 piscinões já construídos pelo DAEE na região".

O DAEE afirmou ainda que o "combate às enchentes exige também boa manutenção da rede de água pluviais (bocas de lobo, por exemplo), que é responsabilidade dos municípios".

Mais conteúdo sobre:
Vila Itaim DAEE Fernando Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.