Haddad diz que não é absurdo quadrilha tentar aproximação com Donato

Prefeito também afirmou que Gilberto Kassab está 'estressado' com combate à corrupção e que investiga dados de IPTU de grandes imóveis

Artur Rodrigues, O Estado de S. Paulo

12 Novembro 2013 | 11h33

SÃO PAULO - O prefeito Fernando Haddad (PT) voltou a defender o secretário de Governo, Antonio Donato (PT), afirmando que a quadrilha procurou o titular da pasta para tentar "se proteger" e que "não é absurdo que tenham feito isso". Ele também afirmou que o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) está "estressado" porque a cidade nunca teve antes "um processo tão agudo de combate à corrupção". 

O Estado revelou nesta terça (12) escutas em que o auditor Ronilson Bezerra Rodrigues, apontado como líder da quadrilha, afirma que vai chamar Donato e Douglas Amato, o atual chefe Subsecretário da Receita Municipal. 

"O Donato conhecia o Ronilson (Rodrigues) e o (Eduardo) Barcelos da Câmara. Inclusive, os dois chegaram a apresentar estudos durante a campanha eleitoral sobre IPVA, sobre ISS. Tentaram uma aproximação, no sentido de mostrar que eram servidores públicos apartidários", disse Haddad. "Então, eram pessoas que tentavam se aproximar de quem tinha expectativa de poder. Como aliás toda a pessoa desse tipo faz. Tenta se aproximar de quem tem influência para se proteger. Não é absurdo que eles tenham feito isso", completou.  

Ele também afirmou que não foi encontrado nenhum indício que incrimine Amato. "Até o momento essa investigação não o compromete", disse Haddad. Ele afirmou que Amato já foi investigado. "Porque ele era da equipe do Mauro Ricardo, então estava no núcleo duro da Decretaria de Finanças. Como três ou quatro integrantes da equipe do Mauro Ricardo estavam envolvidos, foi feita essa apuração preliminar", disse. 

O prefeito afirmou, no entanto, que o controlador Mário Spinelli tem "carta branca" para investigar qualquer servidor do Executivo. "Se ele amanhã entender que precisa abrir uma frente de investigação, pode ser sobre alguém da administração anterior, alguém dessa, de 10 anos atrás, não importa", afirmou. 

Questionado sobre as críticas feitas pelo ex-prefeito Kassab à sua gestão, Haddad afirmou que o antecessor ficou estressado. "Acho que ele ficou estressado, depois foi a público de novo moderar. É natural o estresse, até porque São Paulo nunca passou um processo tão agudo de combate a corrupção", disse o prefeito. Kassab se irritou depois que Haddad afirmou à Folha de S.Paulo que a gestão anterior era um "descalabro". 

Os dados cadastrais do IPTU devem passar por um pente-fino, disse o prefeito. O Estado revelou hoje que a quadrilha conseguia apagar dívidas e ocultar grandes reformas em imóveis. "No caso do IPTU nós estamos iniciando as investigações com base nas escutas que foram feitas.São casos isolados, mas representativos, em grandes equipamentos", disse. "Ninguém vai fazer uma falcatrua num imóvel isento. Vai fazer num grande equipamento, onde está eventual fonte de propina. O IPTU deixa rastro, porque os sistemas são informatizados". 

Mais conteúdo sobre:
haddadquadrilhadonato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.