Haddad diz que grupo resiste 'com violência' em deixar Cracolândia

Haddad diz que grupo resiste 'com violência' em deixar Cracolândia

Para prefeito de São Paulo, situação na região é melhor, mas minoria atrapalha avanço do programa

Edgar Maciel, O Estado de S. Paulo

24 de novembro de 2014 | 16h42


SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), voltou a comentar a situação da região da Cracolândia, no centro de São Paulo. Ele afirmou nesta segunda-feira, 24, que um grupo resiste "com violência" em deixar uma praça localizada entre a Rua Helvetia e a Alameda Cleveland.

"Há um grupo na região da Cracolândia que tenta impor a sua vontade. O que não vamos deixar acontecer. Queremos levar adiante a recuperação daquele espaço da cidade", afirmou o prefeito.

O plano da prefeitura é reformar o espaço, em parceria com o governo estadual. 

Uma reunião com representantes da gestão Alckmin (PSDB) deve ser marcada em breve para definir estratégias de retirada dos dependentes químicos da região.

"A situação de hoje é muito melhor do que historicamente esteve, mas nós precisamos repactuar aquilo, porque há uma minoria resistindo em fazer nosso programa avançar", disse Haddad. 

Twitter. Na semana passada, Haddad criticou no Twitter a falta de policiamento no centro da capital paulista. No seu perfil, o prefeito disse que enquanto o Estado cobra que o governo federal fiscalize as fronteiras do País para conter o tráfico de drogas, os policias "não controlam um quarteirão da Luz", reclamou. 

Tudo o que sabemos sobre:
Fernando HaddadCracolândiaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.