Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Haddad demite 2 subprefeitos e mais 30 servidores municipais

Série de demissões tem ligação com falta de apoio na Câmara e também serviria para acomodar demitidos do governo federal

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

13 Maio 2016 | 03h00

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), continua a série de demissões que teve início na semana passada, após ver fracassadas duas tentativas de votação na Câmara dos Vereadores para regulamentar aplicativos de transporte como a Uber. Haddad exonerou nesta quinta-feira, 12, dois subprefeitos, da Vila Prudente e Aricanduva, além de 30 funcionários indicados por vereadores para ocupar cargos comissionados na gestão municipal do petista. 

As demissões foram oficializadas no Diário Oficial da Cidade. Parte delas foi assinada pelo próprio prefeito, como as exonerações de Sandra Elena Barbosa do cargo de subprefeita em Vila Prudente, na zona leste, e Bruno Romanato Filho, subprefeito de Aricanduva, também na região leste da cidade.

Já as exonerações de funcionários das subprefeituras, como assistentes técnicos, chefes de gabinete e coordenadores, foram assinadas por Weber Sutti, secretário substituto de Governo Municipal. 

A Vila Prudente é uma das regiões de atuação da vereadora Edir Salles (PSD) e a subprefeita tinha relação próxima com a parlamentar. Edir, que já havia perdido espaço na máquina municipal com outras demissões na última semana, foi procurada, mas não respondeu ao Estado.

Nos dias 6 e 7 deste mês, o secretário titular da pasta, Chico Macena, publicou a demissão de 86 servidores, a maioria indicada por parlamentares para trabalhar nas subprefeituras da capital. 

Entre os vereadores que tiveram demissões dos seus quadros na gestão municipal, além de Edir, estão George Hato (PMDB), Noemi Nonato (PSB) e Sandra Tadeu (DEM), que votaram a favor de projetos da gestão Haddad, mas são apontados como integrantes do grupo que esvaziou as sessões que aprovariam a regulamentação do Uber na quarta-feira da semana passada. Sandra também foi procurada, mas não retornou à reportagem.

Ao todo, até agora, foram demitidos quase 200 funcionários. O Estado apurou que as exonerações ainda não acabaram e o número total pode chegar a 400. 

Governo federal. Embora a regulamentação da Uber tenha sido o estopim na relação entre Haddad e o Legislativo, vereadores comentam nos bastidores que as exonerações são para abrir espaço aos funcionários que deixaram o governo federal após o afastamento da presidente Dilma Rousseff. A Prefeitura não quis comentar o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.