Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Haddad defende ciclovias e afirma que trânsito flui melhor

Prefeito diz que é equívoco considerar que faixa exclusiva atrapalha o tráfego; obras, com exceção da Paulista, estão paralisadas

Ana Fernandes e Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

20 de março de 2015 | 12h24

Atualizada às 20h57
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse nesta sexta-feira, 20, que o trânsito “flui melhor” quando vagas de estacionamento são retiradas para dar lugar às ciclovias. “Quando não suprime faixa de rolamento, quando é faixa de estacionamento ou canteiro central, em geral o trânsito melhora”, afirmou, durante uma visita técnica na zona norte da capital paulista. 
O juiz da 5.ª Vara da Fazenda Pública da Capital, Luiz Fernando Rodrigues Guerra, mandou a gestão petista paralisar as obras de ciclovias na cidade de São Paulo nesta quinta-feira, 19. Ele acatou o argumento da promotora de Justiça de Habitação e Urbanismo Camila Mansour Magalhães da Silveira, de que faltam estudo prévio de impacto viário e projetos executivos para as obras.
Na mesma ação civil pública, o Ministério Público Estadual (MPE) pedia a paralisação das obras na Avenida Paulista e a reconstrução do canteiro central. Guerra considerou, no entanto, que essa obra está mais tecnicamente fundamentada e negou a iniciativa. A atual gestão instalou 199,8 quilômetros de ciclovias, bandeira de Fernando Haddad. A expectativa é chegar a 400 quilômetros até 2016.
Guerra deu prazo de 60 dias à Prefeitura para a apresentação da defesa dos projetos. Em caso de descumprimento, a multa diária é de R$ 10 mil.
Sobre os estudos de impacto exigidos na ação, Haddad disse existir um equívoco na interpretação da Promotoria, pois as ciclovias não causariam impacto no trânsito, por serem construídas em canteiros centrais e em vagas de estacionamento. “Vamos levar em consideração ao juiz: estudo de impacto do trânsito (como cobra o MP) é quando tem supressão de faixa de rolamento. É óbvio que, quando tem um estacionamento, a pessoa tem de fazer baliza e ficar em fila dupla, o que naturalmente atrapalha o trânsito.” 
Segundo Haddad, 90% das ciclovias construídas até agora não retiram faixas de rolamento. O prefeito admitiu, porém, que há uma minoria de casos de vias exclusivas que afetam faixas de rolamento - e os casos são analisados pela Companhia de Engenharia do Tráfego (CET). Para esses, a Prefeitura já teria os estudos de impacto no trânsito exigidos. 
Haddad ainda tentou minimizar a decisão da Justiça. “A promotora e os ciclistas tiveram um desentendimento. Vamos mediar esse conflito, não nos interessa esse antagonismo entre os ciclistas e a Promotoria.”
Questionado sobre a ação ser essencialmente contra a Prefeitura, por pôr em dúvida o planejamento das ciclovias e a realização de estudos de impacto de trânsito, Haddad respondeu que a administração representa o interesse dos cidadãos e protege os ciclistas na construção da malha de ciclovias.
Política e mídia. Indagado se o Ministério Público poderia ter motivação política ao apresentar a ação contra as ciclovias, um dos principais projetos de sua gestão, Haddad negou. “Jamais faria essa afirmação.”
O prefeito afirmou, porém, que a imprensa faz campanha contra as ciclovias. “Com toda campanha contra que vocês (jornalistas) fazem, 66% da população aprova as ciclovias”, disse, referindo-se ao resultado da última pesquisa do Instituto Datafolha sobre o tema.

Tudo o que sabemos sobre:
Fernando HaddadCicloviasSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.