Hélvio Romero/Estadão - 30/10/2012
Hélvio Romero/Estadão - 30/10/2012

Haddad cria função para a primeira-dama em SP

Ana Estela Haddad terá função de promover projetos e atividades de interesse público

Caio do Valle e Tiago Dantas, O Estado de S. Paulo

16 de abril de 2013 | 09h50

Ana Estela Haddad, professora universitária e mulher do prefeito Fernando Haddad (PT), ganhou, oficialmente, uma função no governo do marido. Um decreto publicado nesta terça-feira, 16, "dispõe sobre o serviço a ser prestado voluntariamente pela primeira-dama do Município de São Paulo". O prefeito, que participa nesta manhã da 6ª Reunião do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Estado de São Paulo, disse que o trabalho da primeira-dama, que "já conhece experiências no mundo", será voltado para a primeira infância. "O trabalho voluntário é bem-vindo", afirmou.

Pelo decreto, o serviço, que não será remunerado e que não irá gerar um vínculo funcional ou empregatício com a Prefeitura, "será exercido mediante a celebração de termo de adesão" entre Ana Estela e a Secretaria do Governo Municipal.

As funções da primeira-dama terão "por objeto a promoção de projetos e atividades" da Prefeitura de São Paulo que sejam "de relevante interesse público".

Não é novidade que primeiras-damas assumam funções nas administrações de seus maridos, caso de Lu Alckmin, que, no governo do Estado, detém a presidência do Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo (Fussesp), responsável, entre outras atividades, pela campanha do agasalho.

Mas a cidade de São Paulo estava havia anos sem uma primeira-dama ativa, já que o último prefeito, Gilberto Kassab (PSD), não era casado.

Livre-docente da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (USP), Ana Estela disse em entrevista no ano passado, logo após a vitória de Fernando Haddad na disputa eleitoral pela Prefeitura, que gostaria de "poder contribuir com aquelas questões dentro das quais tenho uma história de participação: educação, saúde e da mulher" na gestão de seu marido.

Além disso, afirmou que gostaria de ajudar Haddad a resgatar o "amor do paulistano por São Paulo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.