JF DIORIO / ESTADÃO CONTEÚDO
JF DIORIO / ESTADÃO CONTEÚDO

Haddad aumenta poder de secretário de Finanças

Secretaria de Planejamento é esvaziada; Leda Paulani deixa cargo e lei orçamentária ficará sob o comando de Marcos Cruz

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

03 Março 2015 | 15h49

SÃO PAULO - O prefeito Fernando Haddad (PT) esvaziou a Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, após a saída da então secretária Leda Paulani, que deixou o cargo nesta segunda-feira, 2. A partir de agora, a pasta responderá apenas pela Gestão da administração municipal. Assim como no último governo petista, de Marta Suplicy, a função de elaborar o Orçamento da cidade passa a ser responsabilidade da Secretaria Municipal de Finanças, sob o comando de Marcos Cruz.

O substituto de Leda já foi nomeado, e foi trazido de Brasília. Valter Correia da Silva deixou o cargo de chefe da Assessoria Especial para Modernização da Gestão do Ministério do Planejamento para assumir o primeirão escalão da gestão Haddad. Experiente, já foi secretário de gestão do Ministério no primeiro governo Lula, de 2005 a 2007. Representante da cota petista, também atuou nas prefeituras de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, e em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Com a mudança, Haddad espera modernizar a máquina municipal e, em tempos de crise econômica, economizar recursos. Silva traz na bagagem fórmulas que, segundo ele, ajudaram o governo federal a poupar R$ 700 milhões em dois anos com a folha de pagamento da União. O "milagre" teria sido obtido com mudanças simples, como a aquisição unificada de serviços por meio de uma central de compras. Depois dela, os gastos com telefonia fixa do governo federal, por exemplo, foram reduzidos quase à metade - queda de 47%.


Leda Paulani deve voltar a se dedicar exclusivamente à função acadêmica - a ex-secretária é economista e professora da Faculdade de Economia e Administração da USP. Já Marcos Cruz passou a acumular funções na Prefeitura. Além de já cuidar da execução orçamentária, o secretário de finanças terá de elaborar o Orçamento e participar das audiências públicas referentes à proposta.

Apesar de só ter sido nomeado para cuidar do Orçamento neste ano, Cruz já participava ativamente do processo nos bastidores. Não raramente, era ele - e não Leda - que prestava as informações solicitadas pela Câmara Municipal, por exemplo. Foi assim no fim do ano passado durante a aprovação da lei orçamentária atual.

Com a troca de mais um secretário, já são seis os nomes novos no secretariado de Haddad. Neste ano, além de Silva na Secretaria de Gestão, assumiram: Alexandre Padilha (Relações Governamentais); Gabriel Chalita (Educação); Eduardo Suplicy (Direitos Humanos); Nabil Bonduki (Cultura); e Robinson Barreirinhas (Negócios Jurídicos).

Mais conteúdo sobre:
Fernando HaddadSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.