Haddad, Alckmin e Temer vão a Paris por Expo 2020

Representantes das três esferas do poder público tratarão pessoalmente do evento, que deve atrair 30 milhões de pessoas

TIAGO DANTAS, O Estado de S.Paulo

10 Junho 2013 | 02h04

A cidade de São Paulo vai defender nesta semana, em Paris, sua candidatura para sediar a Expo 2020. O prefeito Fernando Haddad (PT), o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o vice-presidente Michel Temer (PMDB) embarcaram para a França no fim de semana para tratar pessoalmente do assunto.

Nos bastidores, a candidatura de São Paulo é considerada uma das favoritas ao lado de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Outras três cidades vão oficializar a candidatura: Izmir, na Turquia; Ekaterinburgo, na Rússia; e Ayutthaya, na Tailândia. O resultado deve ser anunciado em novembro.

Diplomatas avaliam que a candidatura de São Paulo ganhou robustez nos últimos seis meses e que a integração explícita das três esferas de poder pode produzir resultado positivo.

A Expo é organizada desde 1851 pelo Escritório Internacional de Exposições, entidade sediada em Paris. Em março, delegados da entidade fizeram uma vistoria em São Paulo. Um terreno de 5 milhões de m² em Pirituba foi escolhido para receber o pavilhão de exposições. A feira de 2020 deve durar seis meses e atrair 30 milhões de visitantes.

O governo do Estado pretende aproveitar a viagem para garantir investimentos para projetos considerados prioritários. Durante a estadia em Paris, deve ser anunciado um financiamento para a Linha 13-Jade da CPTM, que chegará até o Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. Alckmin deverá, ainda, apresentar a carteira de Parcerias Público-Privadas (PPP) para empresários franceses.

"Temos uma carteira de PPPs que prevê R$ 50 bilhões em investimento em linhas de trens, metrô e outras obras", diz o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Regional, Júlio Semeghini. "Também vamos mostrar para os empresários que São Paulo é um bom lugar para se investir."

Uma das justificativas para a realização da Expo é o legado que o evento pode deixar. A construção de um novo centro de convenções pode levar desenvolvimento para a região noroeste da capital. Além disso, a cidade pode ganhar um novo cartão-postal: uma torre de 155 metros de altura.

Nos sete anos que antecederam a Expo 2010, a cidade de Xangai, na China, gastou o equivalente a R$ 330 bilhões em projetos de infraestrutura. O metrô, por exemplo, dobrou de tamanho e passou a ter 420 km.

Pontos turísticos. Iniciadas em 1851, em Londres, na Inglaterra, as exposições universais costumam provocar o surgimento de pontos turísticos. O exemplo mais famoso é o da Torre Eiffel, em Paris, construída como monumento temporário para a Expo 1889. Um ano antes, Barcelona, na Espanha, havia erguido o Monumento a Colombo, um mirante.

Entre as inovações tecnológicas apresentadas ao mundo durante uma Expo estão telefone, cinema e televisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.