Hackers divulgam dados até do chefe da PM do Rio

50 policiais tiveram nome, endereço e conta bancária postados no Facebook; grupo voltou atrás e pediu desculpas

Marcelo Gomes / RIO, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2013 | 02h06

Nem o comandante-geral da Polícia Militar do Rio, coronel José Luís Castro Menezes, de 47 anos, escapou da ação de hackers que invadiram a página da corporação, acessaram seu banco de dados e divulgaram informações pessoais de cerca de 50 mil PMs, como nome, endereço, CPF, telefones, e-mail e até agência e conta bancária. O coronel Frederico Caldas, comandante das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), e a major Pricilla Azevedo, chefe da UPP Rocinha, também tiveram suas informações divulgadas.

Os dados dos PMs foram expostos na quinta-feira passada, na página do Facebook do grupo Anoncyber & Cyb3rgh0sts. O link para o arquivo com as informações foi retirado do ar no fim de semana.

Ameaça. Dezenas de PMs postaram mensagens no perfil do grupo, algumas até com ameaças de morte aos hackers. Muitos policiais que moram em áreas dominadas por traficantes ou milicianos reclamaram que eles e seus parentes passaram a correr risco de vida. Após tirar o link do ar, o Anoncyber & Cyb3rgh0sts pediu desculpas.

A Polícia Civil informou que a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) investiga o caso. A ação dos hackers teria sido facilitada porque o site da PM não teria códigos criptografados, disseram investigadores. Em nota, a PM lamentou "o fato de dados pessoais de policiais militares ficarem expostos na rede" e informou que "está tomando providências para que os responsáveis sejam punidos".

Tudo o que sabemos sobre:
HackersRJRio de JaneiroPM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.