''Há 3 lados: o de cada 1 dos que brigam e o lado certo''

Em um apartamento de São Paulo, a moradora reclamou para a síndica que vizinhos faziam barulho demais ao namorar. O que fazer? Outra queixa recorrente levada a um síndico foi o odor de patchulis que invadia apartamentos vizinhos ao morador que fumava maconha.

Bruno Paes Manso, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2011 | 00h00

Administrar os conflitos mais diversos em condomínio é uma das tarefas principais dos mais de 20 mil síndicos paulistanos. O vice-presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi), Hubert Gebara, afirma que para lidar com esses conflitos e indisciplinas a multa não é o melhor caminho. É preciso diálogo.

Independentemente da classe social, as brigas mais comuns dizem respeito a cachorros, vagas de garagem, vazamentos e barulho de crianças. "Existe também o clássico da moradora que anda de salto alto à noite e aterroriza a vida do morador de baixo", diz o empresário Dostoievski Vieira, que organizou a feira Mega-Pró Síndico na semana passada.

No caso do sexo barulhento, Vieira recomendou que não houvesse nenhum tipo de intervenção - "há limites para reclamar". Quanto aos problemas com quem usa maconha, ele ainda hoje tem dúvidas sobre como proceder. "É preciso ter técnica e jogo de cintura para contornar brigas assim", defende.

O síndico profissional Maurício Jovino, que atua em um condomínio de 7 torres e 140 unidades em Itaquera, é um dos que exercem o bom senso no dia a dia. "Um problema sempre tem três lados. O de cada um dos que brigam e o lado certo. Quando os moradores ficam frente a frente, se conhecem, acabam se entendendo e viram amigos."

AS POLÊMICAS

Inadimplência

A taxa de 7% é administrável. Dialogar com o devedor e processar quando os atrasos se repetirem são saídas.

Individualizar água e gás

Há consenso de que é o caminho natural. É o método mais justo de cobrança e evita que apartamentos com poucos moradores paguem pelos que gastam mais.

Terceirização

Não há diferença relevante de custo entre os terceirizados e contratados. A terceirização flexibiliza a contratação dos funcionários. Mas cada caso deve ser discutido e pensado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.