Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Há 21 anos, Rio Tietê tenta acabar com a poluição crônica

Rio que corta a Grande São Paulo continuam sendo classe 4, situação mais crítica e cujo uso para abastecimento é proibido

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

16 Setembro 2014 | 03h00

SÃO PAULO - A recuperação do Rio Jundiaí é apontada como um exemplo de que a despoluição do Rio Tietê, iniciada há 21 anos, é possível. Atualmente, cerca de 78 quilômetros do rio que corta a Grande São Paulo continuam sendo classe 4, ou seja, situação mais crítica e cujo o uso para abastecimento público é proibido. 


Segundo a coordenada da Rede das Águas da Fundação SOS Mata Atlântica, Malu Ribeiro, o processo de despoluição do Tietê, contudo, é mais complexo e deverá levar mais tempo. “O Rio Jundiaí nasce na serra e vai protegido até metade da bacia, onde começa a receber carga de efluentes. O Tietê, por sua vez, recebe uma carga muito maior, fruto de uso industrial intenso, muito próximo da nascente, produzindo impacto maior”, diz. 

Mais conteúdo sobre:
Rio TietêSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.