'Há 20 anos, dizem que vão me tirar daqui'

A auxiliar de limpeza Irani Ferreira, de 37 anos, passou mais da metade da vida em uma área de risco. Ela mora com os cinco filhos no Jardim Paraná, Vila Brasilândia, na zona norte. "Em 20 anos que vivo aqui, todos os prefeitos disseram que vamos sair. Só acredito quando estiverem na porta de casa para nos tirar."

O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2013 | 02h01

Para chegar em casa, em uma encosta, ela desce por uma escada feita com sacos de areia e atravessa uma pinguela. Um ano após se curar de uma leucemia, por meio de um transplante de células do cordão umbilical da filha, não tem medo das intempéries da natureza. Se pudesse, ainda construiria outro andar para trazer para perto o primogênito que casou e se mudou.

Em dias de chuva, a impressão é a de que o morro pode desabar e fazer o bairro desaparecer a qualquer momento. Mas, entre muitos, reina a crença de que só a própria casa está fora da zona de perigo. "Área de risco é a casa da vizinha, última do barranco, que foi escorada para não cair. A da frente da dela já caiu", diz a dona de casa Carla de Souza, de 26 anos. Há dois anos, ela recebeu R$ 5 mil da Prefeitura para se mudar de uma casa a poucos metros de onde vive hoje, debaixo de uma pedra.

A área foi logo reocupada. O mestre de obras Jailson Silva, de 33 anos, divorciou-se e construiu um barraco de madeira ali. Sabe dos riscos que corre nos dias em que a chuva demora a parar. "Mas não vivo aqui porque quero." / ARTUR RODRIGUES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.