Guia revela a gastronomia das favelas

Roteiro traz 22 estabelecimentos, que vão de restaurantes a biroscas, bares a terraços caseiros, em oito comunidades do Rio

HELOISA ARUTH STURM / RIO , O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2013 | 02h01

Não é preciso ir a um restaurante refinado e caríssimo para experimentar carne de coelho, faisão, jacaré ou capivara. Quem quiser subir o morro pode encontrar as iguarias na mais conhecida favela do Rio de Janeiro. É só procurar pelo Glimário, um chef recifense que já trabalhou em locais famosos antes de se tornar um empreendedor.

Glimário dos Santos é o dono do Porcão da Rocinha - alusão a uma tradicional churrascaria carioca, e seu restaurante exótico, na Travessa Gregório, está listado no recém-lançado Guia Gastronômico das Favelas do Rio.

"Qualquer hora do dia você chega lá e fala: 'eu quero comer uma coisa diferente'. Ele tem. Num lugar que ele chama de freezer mágico", diz o pesquisador e diretor cinematográfico Sérgio Bloch, responsável pela seleção dos 22 estabelecimentos citados no guia, que vão de restaurantes a biroscas, bares a terraços caseiros, em oito favelas do Rio.

O passeio pode revelar não só uma bela vista da Baía de Guanabara, mas também experiências gastronômicas interessantes e memoráveis. No Morro Santa Marta, o Pôr-do-Santa é um evento que acontece todo primeiro sábado do mês, quando turistas e moradores se reúnem para uma feijoada completa ao som de samba na famosa Laje do Michael Jackson, que guarda uma estátua em bronze do Rei do Pop e homenageia o local que serviu de cenário para um dos clipes do músico, They don't care about us, gravado em 1996.

O visual na Laje do César, no morro da Babilônia, localizado no Leme, zona sul do Rio, vem acompanhado de feijoada, moqueca ou mocotó. Mas é preciso ligar (21-25302506) e fazer reserva para apreciar a vista e a comida. Também no Leme, no vizinho morro Chapéu-Mangueira, está o Bar do David, que serve quitutes premiados, como o tropeiro carioca e o bolinho de frutos do mar. Os dois já foram citados até no The New York Times.

Jabá. Na região portuária, um boteco no Morro da Providência oferece petiscos no fim de semana e pratos variados de almoço executivo: é o Sabor das Loiras e Gelada do Moreno, homenagem aos donos Rosana Damasceno e Reinaldo da Silva. Do cardápio, Rosana destaca o jabá com jerimum na massa, que é uma lasanha de carne seca com seu fruto predileto. O prato integrou um festival gastronômico do Rio, em novembro do ano passado.

Há opções também na Ladeira dos Tabajaras, em Copacabana, e no Vidigal, vizinho à Rocinha, como o Bar Lacubaco, do casal Fábio e Fabíola, que traz um elogiado filé ao molho madeira com arroz à piemontesa. Na zona norte, as variedades de cardápio no Complexo do Alemão incluem a hamburgueria Doce Lar, os mixes de açaí da D&G Lanches, além de botecos que oferecem pizzas e tapioca.

A ideia de montar um roteiro surgiu quando Sérgio Bloch fazia um documentário sobre as Unidades de Polícia Pacificadora do Rio, em 2010. A equipe de filmagem perdia muito tempo para descer o morro e ir comer em restaurantes no asfalto, então começou a procurar lugares bacanas para almoçar dentro das comunidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.