Guarulhos terá duas estações do prolongamento da Linha 2-Verde

Projeto original tinha última parada ainda na capital; agora, ramal vai terminar do outro lado da Rodovia Fernão Dias

Caio do Valle, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2013 | 02h05

Segunda maior cidade do Estado (e sem nenhuma linha férrea), Guarulhos entrou no radar do governo estadual para a expansão do Metrô. Uma atualização do projeto de prolongamento da Linha 2-Verde agora prevê a construção de duas estações metroviárias na cidade da Grande São Paulo, embora longe do centro.

As duas paradas - Ponte Grande e Dutra - ficarão na área sudoeste do município, perto da Via Dutra. De acordo com um relatório apresentado pela Gerência de Planejamento Empresarial do Metrô, a estação terminal será construída em um terreno ao lado do Shopping Internacional, no bairro de Itapegica.

O plano original era a Estação Dutra ainda em solo paulistano, no Parque Novo Mundo, na zona norte, a cerca de 400 metros do limite com Guarulhos, do outro lado da Rodovia Fernão Dias. A decisão revela a mudança de postura da gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB) sobre investimentos em transportes sobre trilhos no município, há anos comandado por prefeitos petistas - o atual é Sebastião Almeida.

Com a mudança, a extensão da Linha 2 terá 13 estações e 14,4 km. A obra, que pode começar ainda neste ano, originalmente custaria R$ 8,5 bilhões. O valor, porém, ainda não considerava a Estação Ponte Grande.

Além da ampliação da Linha 2-Verde, a cidade terá o serviço de um ramal da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), a 13-Jade, também anunciada por Alckmin, que conectará a zona leste da capital ao Aeroporto de Cumbica. As obras desse ramal começam neste ano.

"Para quem vem de São Paulo, vai facilitar bastante, mas para o resto da cidade, acho que não vai mudar muito", diz a cozinheira Idalvanete Correia Costa, de 45 anos, que mora em Santa Isabel, na Região Metropolitana, e que sempre faz compras no Shopping Internacional.

"Nos últimos anos, os governos focaram muito no aeroporto e esqueceram do resto da cidade, que precisa de mais transporte público", afirma o operador de supermercado Luciano Geraldo da Silva, de 34 anos. Ele trabalha há quase uma década na cidade, embora viva na zona leste de São Paulo. Para ir trabalhar, pega dois ônibus.

Situação parecida enfrenta o cozinheiro Marcelo Valentim de Oliveira, de 39 anos, que trabalha em uma empresa na Avenida Senador Adolf Schilling, perto de onde ficará a Estação Dutra. Morador de Guarulhos, quando precisa ir para o metrô, tem de pegar um ônibus da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) até a Estação Armênia, na Linha 1-Azul. "Está sempre cheio e o preço da viagem é alto. Fora que ficamos muito dependentes das condições da Dutra. Qualquer chuvinha já para tudo."

Necessidade. Em nota, o Metrô de São Paulo informou que "estudos preliminares" constataram a necessidade de mais uma estação" no prolongamento da Linha 2-Verde, que hoje liga a Vila Prudente, na zona leste da capital, à Vila Madalena, na zona oeste. Essa estação é a Ponte Grande, que atenderá, em média, 11,5 mil passageiros por dia. O projeto básico será contratado até o fim de 2013.

A Estação Dutra, por sua vez, deverá registrar 92 mil entradas por dia. Ela será importante, segundo a empresa, para a integração com ônibus municipais e intermunicipais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.