Guarulhos reduz mortes e melhora índice do Estado

Cidade registrou 7 homicídios em maio, ante 17 no mesmo mês do ano passado, uma queda de 58%

O Estado de S.Paulo

26 Junho 2013 | 02h13

Na Grande São Paulo, Guarulhos, a segunda cidade mais populosa do Estado, registrou as principais quedas nas taxas de criminalidade. Foram 7 ocorrências em maio, o menor número desde que os homicídios passaram a ser publicados mensalmente. Em maio dos dois últimos anos, a cidade havia registrado 17 ocorrências, o que significa queda de 58,8% este ano.

A diminuição dos dez casos da cidade foram importantes para a redução no Estado em maio, que teve apenas 4 ocorrências a menos do que o mesmo período do ano passado.

Os efeitos da trégua entre policiais militares e integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) e a retomada do policiamento por parte da PM são mais claros em Guarulhos. Desde junho do ano passado, quando o conflito começou a se acirrar, mortes suspeitas começaram a ocorrer naquela cidade.

Em investigação da Polícia Civil, policiais militares são apontados como suspeitos de montar um grupo de extermínio que teria sido responsável por 35 mortes.

Com a trégua entre as partes e a volta do policiamento em condições normais, Guarulhos vem registrando as principais quedas nas taxas de crime violento da Região Metropolitana de São Paulo. A cidade não registrou latrocínios e os roubos caíram 26%.

Cinco meses. Apesar de a tendência da criminalidade ser de queda, São Paulo ainda não conseguiu compensar a elevação das taxas no começo do ano. Como resultado, se for considerar o acumulado dos cinco primeiros meses, seis dos sete principais crimes no Estado registram elevação.

Nos casos dos homicídios dolosos, foram 1.880 ocorrências, total 5,1% acima do que o mesmo período do ano passado. Os casos de latrocínios (173) tiveram aumento de 13,1%.

A única modalidade de crime cujo acumulado dos cinco primeiros meses do ano já registram queda no Estado é o roubo, com redução de 0,3%.

Mais conteúdo sobre:
protestos protesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.