Laura Maia/Estadão
Laura Maia/Estadão

Guarulhos: depois de achar carteira, bombeiros concentram buscas em desabamento

Prédio de cinco andares em construção caiu na noite de segunda-feira; equipes focam área mais provável em que desaparecido estaria

Laura Maia, O Estado de S. Paulo

03 Dezembro 2013 | 12h30

SÃO PAULO - O operário Edenilson dos santos, de 24 anos, continua desaparecido desde o desabamento de um prédio em construção às 19h20 de segunda-feira, 2, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Pela manhã, os bombeiros encontraram uma carteira com documentos da vítima e ligaram para um celular dele passado por parentes. Tentaram contato, mas deu caixa postal.

As buscas, feitas manualmente, estão concentradas no provável local onde estaria o operário no momento do colapso da estrutura: entre o alojamento e uma escada que ficam no segundo subsolo, o mais profundo da construção. As equipes chegaram ao local com a ajuda de três cães farejadores e encontraram um chuveiro ainda com o registro aberto. A suspeita é que Santos estivesse tomando banho e tenha tentado correr para uma escada ao ouvir os primeiros barulhos.

Cerca de 60 homens da Defesa civil e do Corpo de Bombeiros estão no local. De acordo com o capitão Marcos Palumbo, dos bombeiros, cinco equipes de 12 homens se revezam de hora em hora. A construção tem nove pavimentos no total: dois subsolos, um mezanino, o térreo e mais cinco andares.

Enquanto os bombeiros vasculham os escombros, parentes do desaparecido acompanham na área de segurança. "Ficamos sabendo pela TV. Estamos aqui desde cedo na expectativa de que ele seja encontrado", disse o tio de Edenilson, Jodásio Paulo dos Santos.

Interdições. Cinco casas e um prédio continuam interditados por medida de prevenção. A moradora de uma das casas interditadas, Josefa Maria da Silva, de 50 anos, diz que já havia visto irregularidades na obra. "Os operários trabalhavam de chinelo, vários pregos caíam no meu quintal. Não tinha rede de proteção."

Mauricio Monteagudo, advogado da empresa Salema, negou a falta de segurança nas obras. "Uma obra deste tamanho sem fiscalização não existe", afirmou. "É uma grande catástrofe."

Documentação. Em nota, a Prefeitura de Guarulhos disse que o alvará foi emitido em 23 de novembro de 2012, para a construção de condomínio residencial de 30 apartamentos e dois salões comerciais totalizando 3.706 metros quadrados.

Ainda de acordo com a prefeitura, em maio a Salema Comércio, Construção e Projetos, responsável pela obra, entrou com um pedido de substituição de projeto, acrescentando um mezanino em um dos salões comerciais. O alvará foi expedido em 6 de novembro, "por atender os requisitos legais e técnicos aferidos pela prefeitura", diz a nota.

Mais conteúdo sobre:
guarulhosdesabamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.