Guardas metropolitanos de SP mantêm greve, diz sindicato

Categoria pede reajuste salarial e melhoria nos benefícios e nas condições de trabalho; 4ª tem outro protesto

Priscila Trindade, Central de Notícias

25 de agosto de 2009 | 18h42

O Sindicato dos Guardas Civis Metropolitanos da Cidade de São Paulo (Sindguardas) confirmou que o setor continuará em greve e que, a partir das 7 horas desta quarta-feira, 26, um grupo de profissionais irá se reunir mais uma vez em frente à Prefeitura, no centro da capital. Nesta terça-feira, 25, cerca de 200 pessoas protestaram em frente ao local para negociar reajuste salarial.

 

Veja também:

linkCom greve dos GCMs, camelôs tomam conta da Rua 25 de Março

 

De acordo com a Polícia Militar, a ação durou das 6 horas até às 16h30. A manifestação foi pacífica. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que os GCMs se concentraram na calçada do Viaduto do Chá, sentido Praça da Sé. Uma das faixas da direita do Viaduto ficou bloqueada das 9h15 até o fim do ato.

 

Segundo a Prefeitura, nenhum acordo foi feito com os grevistas.A categoria pede reajuste de salário-base, aumento do porcentual de - 60% para 140% - do Regime Especial de Trabalho Policial (gratificação), a implementação do plano e estruturação de carreiras, melhores condições de trabalho e higiene.

Tudo o que sabemos sobre:
Guarda Civil Metropolitanagreve GCM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.