Guardas civis mantêm greve mesmo com determinação do TJ

Sindicato da categoria diz que não foi comunicado oficialmente da decisão; paralisação completou uma semana

Agência Brasil,

01 de setembro de 2009 | 14h25

Apesar de uma liminar da Justiça estadual ter determinado, na tarde de segunda-feira, a suspensão da greve da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo, a categoria manteve a paralisação, que completa nesta terça-feira, 1º, uma semana. A justificativa dada pelo secretário de Informação do sindicato da categoria, Nilson da Silva Rosa, é de que até o início desta manhã a entidade ainda não tinha sido comunicada, oficialmente, sobre a decisão do Tribunal de Justiça.

 

Segundo o porta-voz dos trabalhadores, por enquanto prevalece a orientação de cumprir a decisão anterior a essa liminar, que é a manutenção em atividade 50% dos mais de 6 mil servidores, para não comprometer serviços prioritários como por exemplo a proteção do patrimônio público.

 

A decisão judicial determina multa diária de R$ 100 mil para o Sindicato dos Guardas Civis Metropolitanos da cidade de São Paulo (SindGuarda) e à Associação Paulista dos Integrantes e Funcionários das Guardas Municipais, caso a greve seja mantida.

 

Desde às 13h30 está acontecendo uma audiência de conciliação na sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), marcada, na semana passada. Os servidores vão manter a reivindicação de elevação do piso salarial para R$ 1,3 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.