Guarda que atirou em jovem de Heliópolis pode ser demitido

Morte da garota gerou protestos na comunidade; laudo de balística apontou Guarda como autor do disparo

Rita Cirne, Central de Notícias

10 de setembro de 2009 | 17h09

A prefeitura de São Caetano do Sul, no ABC paulista, estuda a punição que dará ao guarda civil metropolitano Edson Damião Estevam, identificado pela Polícia Civil nesta quinta-feira, 10, como autor do disparo do tiro que matou uma adolescente de 17 anos durante perseguição a assaltantes na favela de Heliópolis em 31 de agosto. A penalidade máxima prevista aos acusados pode chegar à demissão.

 

Veja também:

mais imagens Galeria de fotos dos protestos em Heliópolis

linkGCM que atirou em jovem saiu da PM por fazer sexo no quartel 

linkCorpo de adolescente morta em Heliópolis é enterrado

linkMoradores ganhariam cesta básica para protestar em Heliópolis

link Em Heliópolis, 21 detidos por protesto contra morte de jovem

 

Em nota, a prefeitura informa que independentemente do laudo fornecido pelo Instituto de Criminalística, já foi instaurado um processo administrativo de infração disciplinar perante à Corregedoria do município a fim de apurar em quais circunstâncias ocorreram os fatos.

 

Ainda segundo o comunicado, "até a apuração total dos fatos, prevista para ocorrer em aproximadamente um mês, os três guardas - Edson Damião Estevam, Luziel Pereira da Costa e Vicente Pereira Passos - ficarão suspensos".

 

Por causa da morte de Ana Cristina de Macedo, os moradores fizeram protestos, ateando fogo em carros, ônibus e depredando outros veículos. A adolescente voltava do colégio quando foi atingida pelo disparo. O namorado dela disse que Ana Cristina iria sair de São Paulo para viver com ele em Carapicuíba, na Grande São Paulo.

 

Segundo a PM, o segundo protesto feito por alguns moradores do local teria uma recompensa: alguém distribuiu avisos que os participantes iriam receber uma cesta básica caso colaborassem. A PM reforçou o policiamento no local e, durante o protesto, 21 pessoas envolvidas foram presas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.