GCM de Araçariguama/divulgação
GCM de Araçariguama/divulgação

Guarda Municipal encontra ossada humana no interior de mastro em Araçariguama

Agentes que fizeram a retirada dos ossos acreditam que o esqueleto pode ser de uma criança ou de uma pessoa jovem

José Maria Tomazela  , O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2017 | 11h19

SOROCABA - Guardas municipais encontraram uma ossada humana no interior de uma torre metálica de 25 metros de altura usada como mastro, em Araçariguama, interior de São Paulo. 

O esqueleto, localizado durante a manutenção da torre, de formato cilíndrico, foi retirado na tarde desta quinta-feira, 16. Os ossos foram encaminhados para perícia no Instituto Médico Legal (IML) de Sorocaba.

+++ Conselho de Direitos Humanos acusa Ceará de cometer 'graves violações' contra jovens infratores   

Inicialmente, a prefeitura divulgou que a ossada poderia ser de um menino desaparecido há dois anos. O comandante da Guarda Civil Municipal (GCM), Paulo Simon, no entanto, informou que não houve registro de desaparecimento de criança na cidade nos últimos anos. Para ele, o achado ainda é um mistério.  

+++ Escrivã da Polícia Civil é assassinada dentro de casa em Sorocaba

Os agentes que fizeram a retirada dos ossos acreditam que o esqueleto pode ser de uma criança ou de uma pessoa jovem. A hipótese é de que a pessoa escalou a torre, usando os degraus fixados na parte externa, e acabou caindo no interior da estrutura pela abertura superior.

O corpo ficou preso a cerca de seis metros da "boca" do cilindro. A vítima pode ter morrido na queda ou de inanição, por falta de socorro.

A torre está instalada em frente ao ginásio de esportes do município, em local ermo. O mastro era usado para hasteamento de bandeiras, mas ficou desativado durante anos. 

+++ Quadrilha rende seguranças e rouba 3 toneladas de dinamite em Salto de Pirapora

A estrutura começou a ser recuperada para receber uma bandeira do Brasil. A prefeitura e a Defesa Civil vão decidir se a estrutura ganha mais proteção ou será desmontada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.